Mérito Empresarial

Alergia e intolerância alimentar: qual a diferença?

Publicado em: 21 de agosto de 2017 às 09h41
Saúde

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 19/08/2017) - Edição 1909

Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Vários estudos científicos em diversas partes do mundo têm detectado um aumento nos casos de alergia e intolerância alimentar. Apesar de compartilharem alguns sintomas, são problemas diferentes com impacto na qualidade de vida e tratamentos diferentes.



Alergia alimentar:


Surge quando nosso corpo passa a identificar proteínas ou moléculas de alguns alimentos como inimigos. Ocorre então uma resposta imunológica contra essas proteínas ou moléculas, porém de forma exagerada, comprometendo nosso corpo. Nosso sistema imunológico desencadeia reações que vão provocar diarreia, inchaços, coceira no corpo, manchas na pele, problemas respiratórios, anemia, déficit de crescimento infantil, dentre várias outras alterações indesejáveis ou até fatais, como o choque anafilático.

O alimento mais conhecido como causa de alergia alimentar é o leite de vaca. No Brasil, 5% da população apresenta alergia ao leite de vaca e/ou seus derivados; a maioria dos casos acomete crianças com menos de 2 anos de idade.

Outro exemplo é a alergia ao glúten, uma proteína presente em alimentos que contêm trigo, aveia, cevada ou centeio. É também conhecida como Doença Celíaca, e acomete 1% da população.

Outros alimentos comumente implicados em quadros alérgicos são peixes, frutos do mar, ovo, trigo, soja, amendoim, castanha e gergelim.



Intolerância alimentar:


Geralmente menos grave quando comparado à alergia alimentar, decorre da perda da capacidade do corpo de produzir enzimas que digerem determinados tipos de nutrientes. O alimento então, não sendo digerido, provoca reações no intestino como distensão abdominal, gases, flatulência, eructação, sensação de digestão difícil, diarreia ou obstipação, enxaquecas; em casos mais graves pode levar à perda de peso e desnutrição.

Um exemplo é a intolerância à lactose, um açúcar exclusivo do leite. Pode ser hereditária ou adquirida após processos infecciosos. Decorre da perda da capacidade de produzir a lactase, a enzima que digere a lactose.



Tratamento:


Vai depender de cada caso. Existem exames que nos ajudam a diferenciar se existe alergia ou intolerância. Os pacientes são treinados a observarem os rótulos de alimentos para se evitar aqueles a que têm alergia ou intolerância.

No caso da alergia, há necessidade de se retirar totalmente da dieta o alimento em questão. A alergia ao leite de vaca em crianças se normaliza após os 5 anos de idade na maioria dos casos. Existe tratamento com imunoterapia para os casos persistentes de alergia aos diversos alimentos.

Para os casos de intolerância, em algumas situações a retirada do alimento intolerante por alguns meses permite que o corpo volte a produzir as enzimas necessárias. Existem no mercado enzimas que podem ser ingeridas para substituir a falta daquela produzida naturalmente pelo organismo.

Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468