Vende-se Apartamento

Assuntando

Publicado em: 25 de outubro de 2015 às 08h52
Assuntando

Valores recordes... A Prefeitura de Arcos acaba de conceder um aditivo ao contrato de prestação de serviço de limpeza pública no valor aproximado de 300 mil reais. Conforme publicado nessa coluna, a administração - de janeiro a setembro – já havia pago cerca de um milhão e seiscentos mil reais para a empreiteira. Até dezembro, somado o empenho global mais o aditivo, o valor pela limpeza urbana chegará bem próximo dos dois milhões de reais. Isso corresponde a R$ 5.479,45 por dia.

 

Receita recorde... Com a expectativa de receita milionária para 2016, estima-se que o valor arrecadado poderá chegar a 100 milhões, a Prefeitura, segundo apurou a coluna, já começa a elaborar processos licitatórios para serviços que não foram oferecidos nesse ano. Um bom exemplo é o transporte de atletas amadores. Curiosamente, em 2016 haverá eleições municipais.

 

Outros tempos...Em 2001, quando assumiu a Prefeitura de Arcos, o então prefeito Lécio Rodrigues contava com um orçamento mensal de pouco mais de um milhão e meio de reais. Em quatro anos, Lécio teve à sua disposição cerca de 72 milhões de reais, valor bem inferior ao que está planejado somente para o ano de 2016. O crescimento da receita de Arcos foi estrondoso!!! Nas eleições de 2008, 3 milhões de reais era anunciado como ‘muito dinheiro e que dava para realizar muitas obras’. A previsão para o ano que vem é uma receita mensal superior a 8 milhões de reais, valor suficiente para mostrar serviço, sem ter que ‘apelar’ para as obras realizadas há anos como justificativa para a receita atual. 

 

Mais sucessão...O vice-prefeito de Arcos, Wellington Roque, que já se posiciona como pré-candidato à prefeitura em 2016, continua afirmando que não se filiará ao PR, partido do prefeito Baiano. Por qual motivo Wellington não quer ter sua imagem veiculada ao número 22? Ou será que ele quer blindar a sua imagem de uma possível rejeição do governo municipal? O vice-prefeito afirma que deseja ‘caminhar com as próprias pernas’, mas há quem duvide disso.

 

‘Puxando o tapete’... Na última semana, o amigo Alessandro Bernardes, mais conhecido como ‘Cenoura’, disse à coluna que pessoas ligadas a atual administração tentaram lhe ‘tirar’ o PDT. ‘Cenoura’ comentou que recebeu uma ligação do diretório estadual, com sede em Belo Horizonte, detalhando a tentativa de seus adversários em puxar-lhe o ‘tapete’. Segundo ‘Cenoura’, a investida foi frustrada. O advogado, juntamente com Odair Lemos, continua firme à frente da legenda criada pelo ex-governador Leonel Brizola.

 

Uma coisa lembra a outra... Além de ter a máquina à sua disposição, o que já é uma grande força, o grupo da situação de Arcos conta com a incompetência, ou melhor, a inexistência de oposição. Em tempos em que Arcos vive o apogeu em arrecadação - nunca na história dessa cidade a prefeitura arrecadou tanto dinheiro – aliás, diga-se de passagem, há cerca de 4 anos a receita obtém recorde atrás de recorde – a oposição sequer manifesta sobre os cortes de benefícios dos servidores municipais. Em abril, quando anunciou a ‘sangria’ nos holerites dos servidores, a administração justificou que a medida se fazia necessária para enfrentar a ‘crise’. Curiosamente, em meio a essa ‘crise’, a prefeitura aumentou em 7% a sua receita (2015) e terá, em 2016, uma arrecadação extra de cerca de 12 milhões de reais. Que ‘crise’, hein?

 

Queda na produção... Prefeitos de todo o Brasil devem ter inveja de Arcos no que tange arrecadação. Em algumas cidades da região, entre elas Formiga, falta dinheiro para pagar salários dos servidores. Aqui, na terra do calcário, sobra dinheiro até para jogar asfalto sobre paralelepípedos e queima exagerada de fogos de artificio. O jornalista Lauro Jardim, colunista do jornal ‘O Globo’, publicou em seu blog que a produção de cimento no Brasil caiu cerca de 11% em setembro, comparando-se com mesmo período de 2014. Arcos hoje conta com duas gigantes do setor cimenteiro e essa notícia pode ser um alerta que os tempos de ‘vacas gordas’ podem estar ameaçados.

 

Prefeitura x Copasa... Se dependesse dos arcoenses, especificamente aqueles que estão ‘penando’ com a falta de água em suas residências, a Prefeitura de Arcos já teria rompido o contrato com a Copasa. Mas as coisas não são tão simples e fáceis assim. A ruptura de um contrato, além de se arrastar por um bom tempo nos tribunais, poderia agravar ainda mais a situação de abastecimento na cidade. É que toda a estrutura de rede de distribuição, captação e depósitos de água pertencem à concessionária. A transferência dos serviços para outra empresa requer, além de licitação, um investimento gigantesco de recursos e obras.

 

Samonte...A única alternativa possível para o revés da situação caótica será uma ação judicial, apesar de que também levará tempo para seu desfecho. Vale lembrar que a renovação do contrato entre a Copasa e o município foi celebrado em 2012, mas até hoje os investimentos prometidos ainda não saíram do papel. O prefeito de Santo Antônio do Monte, Edmilson Aparecido da Costa, cansado de ver a sua comunidade sofrendo com o desabastecimento, ajuizou uma ação contra a concessionária. Na última semana, a justiça proferiu sentença obrigando a Copasa a iniciar as obras de melhorias na cidade em 30 dias, caso contrário, terá que pagar multa diária de 10 mil reais. Talvez seja mais razoável a prefeitura de Arcos contratar, em caráter emergencial, os valorosos e competentes serviços do prefeito de Samonte. Assim poderá evitar futurosprotestos dos moradores do Nova Morada II e diminuir a revolta da população.

Assuntando por Tadeu Nunes

Site: http://www.jornalcco.com.br/

Aurélio Tadeu Nunes de Sousa é  jornalista - Bacharel em Comunicação Social/Jornalismo pela PUC Minas Arcos - e responsável pela coluna ‘Assuntando’.

Jornalista do Ano - Merito Empresarial 2012, 2013 e 2014; prêmio ‘Top of Mind’ 2012, 2013, 2014 e 2015; Medalha ‘Mérito Legislativo pela Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais’; ‘Medalha Marechal Deodoro da Fonseca’ e apresentador do programa ‘Bate Papo de Redação’, na Rádio Cidade.