Vende-se Apartamento

Diabetes e a influência do estado emocional

Publicado em: 04 de junho de 2018 às 08h21
Saúde

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 26/05/2018) - Edição 1950

Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Estresse pode provocar diabetes?

Nem todas as pessoas que estão passando por estresse, ansiedade ou depressão se tornam diabéticas. No entanto é muito comum pessoas descobrirem que estão diabéticas depois de situações de grande estresse emocional. O que ocorre na verdade é que essas pessoas já apresentavam uma tendência genética para desenvolverem diabetes. Em outros casos, a pessoa não tem tendência genética, mas vive com péssimos hábitos de vida, como sedentarismo, dieta gordurosa ou rica em açúcares, além de estarem acima do peso em muitos casos. Mais cedo ou mais tarde essas pessoas iriam desenvolver o diabetes, mas por causa de uma situação de estresse muito intensa, o diabetes é desencadeado. O estado emocional pode fazer com que o organismo sofra alterações em seu metabolismo, antecipando um diabetes que estava programado para surgir apenas vários anos mais tarde. Portanto, o estado emocional sozinho não desencadeia o diabetes.

O estado emocional interfere no controle do diabetes?

Sem dúvida. E tem mais: pode interferir no diabetes provocando tanto aumento quanto queda exagerada na glicose (hipoglicemia), dependendo de cada pessoa. O problema é que muitas pessoas deixam de tomar as medicações para o diabetes ou deixam de fazer exames, pensando que, por estarem bem emocionalmente, o diabetes também estará controlado. O diabetes é uma doença traiçoeira, podendo provocar sérios danos ao organismo sem que a pessoa perceba. Quando o paciente passa a ter algum sintoma, a situação pode já estar grave, com algum dano irreversível, principalmente no coração, cérebro, rins e olhos. Portanto, exames periódicos são necessários.

Quando o estado emocional precisa de tratamento no paciente diabético?

Logicamente, sempre que o estado emocional é suspeito de estar contribuindo para o mau controle do diabetes, deverá ser tratado. No entanto, mesmo que o diabetes não esteja com o controle prejudicado, o paciente deverá ser tratado quando o estado emocional prejudicar de outras formas o paciente. O tratamento é o mesmo que o realizado para as pessoas não diabéticas. Alguns pacientes vão precisar de psicoterapia, ou medicações, ou de ambos. Uma diferença é que, no caso de medicações, o médico deverá estar atento para não receitar medicações que interfiram no controle metabólico. Isto porque algumas medicações para depressão e ansiedade podem provocar ganho de peso, alterações da glicose, aumento de colesterol e da pressão arterial.

Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468