Vende-se Apartamento

Doenças metabólicas em crianças

Publicado em: 25 de junho de 2018 às 08h47
Saúde

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 16/06/2018) - Edição 1953

Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Nos últimos 20 anos, tem-se verificado um aumento de casos de doenças em crianças que antes eram vistas somente em adultos. Diabetes tipo 2, hipertensão arterial, dislipidemias (aumento de colesterol e triglicérides) e obesidade são cada vez mais comuns em crianças. Em grande parte dos casos, os pais são portadores desses mesmos problemas devido a maus hábitos de toda a família. O tratamento dessas crianças exige o envolvimento de toda a família, principalmente dos pais. Isso porque mudanças de hábitos como alimentação balanceada e exercícios físicos devem ser estimulados. Em alguns casos podem ser necessárias medicações. Quanto mais precoce for o tratamento, menores serão as chances de problemas graves de saúde nessas crianças, garantindo uma vida adulta sem complicações.

 

Causas das doenças metabólicas em crianças:

Na grande maioria dos casos se deve a maus hábitos de vida como sedentarismo, alimentação com excesso de açúcares e de gorduras, abuso de sal. Esses fatores têm levado algumas escolas a adotarem mudanças no cardápio da merenda escolar, evitando-se guloseimas e estimulando os jovens a utilizarem alimentos mais saudáveis.

Os fatores hereditários também exercem grande influência. Crianças cujas famílias apresentam muitos casos de doenças metabólicas estão mais predispostas a esses problemas.

É interessante notar que muitos adultos só vão descobrir serem portadores de doenças metabólicas quando descobrem que seus filhos apresentam essas doenças. Atualmente todos os médicos que lidam com crianças orientam os pais a fazerem exames se seus filhos desenvolvem diabetes, obesidade, hipertensão ou dislipidemia.

Riscos para a criança:

Em muitos casos, as complicações dessas doenças somente irão aparecer na vida adulta, porém numa faixa etária mais jovem. Dessa forma, crianças com menos de 10 anos de idade e que são portadoras de doenças metabólicas terão maior chance de desenvolverem infarto e derrame antes dos 30 anos de idade, dependendo da gravidade das alterações metabólicas. Isso ocorre porque a hipertensão, diabetes e dislipidemias danificam o coração e o cérebro progressivamente; esses danos aos órgãos vão se acumulando até surgirem complicações graves. No caso do diabetes tipo 2, há ainda o risco de lesões nos nervos, rins e nos olhos, além de prejuízo no crescimento e desenvolvimento da puberdade.

Em casos mais raros, geralmente nas famílias com hereditariedade forte, as complicações graves podem surgir na adolescência e até mesmo na infância.

Quando as crianças devem fazer exames?

Todas as crianças que estão acima do peso, todas aquelas com maus hábitos de vida (sedentarismo, alimentação pouco saudável) e todas as crianças filhas de pais portadores de doença metabólicas deverão realizar exames periódicos. A frequência desses exames vai depender da gravidade de cada caso.

Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468