Santa Cassa

METABOLISMO LENTO: mitos e verdades

Publicado em: 23 de setembro de 2019 às 08h54
Saúde

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 14/09/2019) - Edição 2018

Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Metabolismo é o conjunto de reações bioquímicas responsável pelo equilíbrio no funcionamento de todo nosso corpo. Todas as nossas funções biológicas como gasto de energia, imunidade, nutrição das células, funcionamento cardiovascular, respiratório, renal, digestório, muscular, enfim, toda nossa fisiologia, depende do equilíbrio metabólico.

Justamente por ser uma área do conhecimento médico muito abrangente, a metabologia muitas vezes é interpretada de forma equivocada levando a conclusões como: “estou ganhando peso porque meu metabolismo é lento”, “estou cansando excessivamente por causa de meu metabolismo lento”. Geralmente, o metabolismo lento é consequência de algum problema, e não a causa original dos problemas.

A seguir, algumas dúvidas são respondidas:

 

Existe realmente metabolismo lento? Quais as causas?

Sim. Várias situações como distúrbios hormonais, deficiência de algumas vitaminas e minerais, efeitos de certas medicações e várias doenças podem realmente deixar o metabolismo alterado em uma ou várias de suas funções. Com isso, doenças podem surgir ou doenças já existentes podem ser agravadas.

Uma das consequências do metabolismo prejudicado é a alteração do peso. Dependendo do distúrbio, o “metabolismo lento” pode levar tanto a ganho quanto perda de peso. Portanto, nem sempre metabolismo prejudicado leva a ganho de peso, como frequentemente dito em qualquer rodinha de conversas de fim de semana. Vale lembrar que maus hábitos também prejudicam o metabolismo, como sedentarismo, dieta irregular e abuso de bebidas alcoolicas. Colocar então a culpa dos problemas sempre no “metabolismo lento” pode ser perigoso. O ideal é que, na suspeita de algo anormal, fora do habitual no seu corpo, o paciente passe por uma avaliação clínica para saber se realmente existe algum distúrbio ou se o seu caso pode ser resolvido apenas com mudança de hábitos.

 

 

O metabolismo muda com a idade?

Sim. Todas as funções do nosso corpo tendem a ficar mais lentas ou deficitárias durante o processo de envelhecimento. Mas nosso corpo, desde que tenhamos uma vida saudável, vai passando por adaptações que nos permitem ter boa qualidade de vida na velhice. O que precisamos fazer é desde cedo cultivar bons hábitos, evitar uso desnecessário de medicações e buscar tratar o mais rápido os problemas de saúde que vão surgindo com a idade.

Uma das principais alterações que ocorre com o envelhecimento é a perda de massa muscular. Em parte, isso ocorre de forma mais intensa após a menopausa e na andropausa: a falta dos hormônios femininos e masculinos aceleram a perda muscular. Nossos músculos são nossos principais controladores do gasto de energia; com exercícios regulares e dieta balanceada, podemos manter uma boa massa muscular permitindo um metabolismo equilibrado, disposição física e mental na velhice. Em alguns casos pode ser necessário reposição hormonal, mas apenas após constatação clínica e laboratorial da real necessidade de uso de hormônios.

 

Existem alimentos que aceleram o metabolismo?

Vários estudos científicos mostram algum efeito positivo de certos alimentos ajudando no gasto de energia, porém são muito discretos para serem usados isoladamente. Acelerar o metabolismo, no sentido de deixar o corpo com mais facilidade para queimar calorias perdendo peso, vai depender mais de uma dieta balanceada e um programa de exercícios físicos. Não é, portanto, apenas uma questão de “o que comer”, mas de um conjunto de bons hábitos de vida associados a uma avaliação clínica para se descartar condições que precisem de tratamento ou correção.

Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468