Vende-se Apartamento

O que toda ESPOSA deve saber sobre ANDROPAUSA

Publicado em: 21 de outubro de 2019 às 10h09
Saúde

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 12/10/2019) - Edição 2022

Dr. Tarcísio Narcísio Silva

A partir dos 40 anos de idade, todo homem começa a desenvolver uma queda gradual da produção do hormônio masculino, a testosterona. Essa queda, ao contrário do que ocorre com a mulher na menopausa, é muito lenta na maioria dos homens e não provoca mudanças súbitas na qualidade de vida e na saúde. No entanto, alguns homens fogem a essa regra e apresentam redução acelerada nos níveis de testosterona do sangue, provocando inúmeros sintomas e prejudicando seriamente a vitalidade. A essa queda exagerada dos hormônios masculinos associada a sintomas chamamos de ANDROPAUSA ou DAEM (Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino) ou, como alguns ainda dizem, a “ MENOPAUSA DO HOMEM”.

 

Qual a importância da esposa nessa situação?

Culturalmente, na maioria dos países, as mulheres costumam cuidar de sua saúde melhor que os homens. Desde cedo as mulheres têm hábito de realizar exames preventivos e se mostram mais bem informadas sobre questões relacionadas à saúde. Alguns estudos mostram que homens solteiros adoecem mais e vivem menos que homens casados e a explicação é fácil: as esposas desempenham um importante papel orientando e “intimando” seus esposos a se cuidarem. Portanto, uma esposa bem informada na maioria as vezes é quem vai suspeitar de uma possível andropausa de seu esposo, permitindo o tratamento adequado e prevenindo complicações para a saúde de seu amado.

Quais os sintomas e complicações da andropausa?

Os principais são perda de massa muscular e óssea, diminuição dos pelos do corpo, ganho de gordura abdominal, aumento de mamas ou mamilos doloridos, redução da libido, dificuldades de ereção, alterações de humor (ansiedade, irritabilidade, tristeza), alterações do sono (insônia noturna ou sonolência excessiva durante o dia), alterações do peso, fraqueza, desanimo e memória fraca. O metabolismo fica prejudicado podendo levar a um envelhecimento precoce. A queda da testosterona predispõe a aumento da pressão arterial, diabetes e alterações do colesterol, levando a risco aumentado de problemas cardiovasculares.

Aqui surge um grande problema: muitos desses sintomas são confundidos com o processo de envelhecimento. Paciente e familiares tendem a se conformar com os sintomas, acreditando ser pela “velhice chegando”; com isso a qualidade de vida do paciente vai se deteriorando cada vez mais.

 

 

Como a esposa pode ajudar?

A primeira dica é sempre estar atenta a sinais e perguntar ao esposo sobre possíveis sintomas. Seja por vergonha, medo ou machismo, muitos homens somente vão falar sobre mudanças em seu corpo se forem questionados.

Para confirmação da andropausa, alguns exames são necessários; caso confirmada, a reposição de testosterona poderá ser realizada e trará uma importante melhora de todos os sintomas. Vale aqui destacar que é muito perigosa a automedicação com produtos duvidosos disponíveis na internet; em alguns casos podem até não causar danos no corpo mas atrasam o tratamento correto. Portanto, a esposa precisa orientar o esposo sobre a necessidade dos exames apropriados e a possibilidade de tratamento. Tratar o esposo muitas vezes significa melhorar a qualidade de vida da própria esposa porque todo o bem-estar do casal pode ser comprometido pela andropausa. Esse pode ser inclusive um argumento para a esposa usar com pacientes rebeldes; o segredo é informação, paciência e persistência com o amado. No mais, fica o provérbio bíblico: “ a mulher virtuosa é a coroa do seu marido”.

Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468