Animalis

OS TEMPOS SÃO DE CRISE, MAS DEUS É NOSSA ESPERANÇA!

(parte 1)

Publicado em: 05 de julho de 2021 às 10h25
Identidade Presbiteriana

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 26/06/2021) - Edição 2108

pastor Presbiteriano - Éder Henrique

Um ditado popular afirma que "há males que vem para o bem" e muitos pensam assim porque analisam as circunstâncias apenas no ponto de vista humano, entretanto, não é o mal que vem para o bem, mas todos os acontecimentos na vida cristã estão nas mãos de Deus, são controlados por Deus e sempre irão beneficiar os filhos de Deus, porque Deus é por eles. O sofrimento é real na vida humana e nos agride no aspecto individual, emocional, existencial, profissional familiar e espiritual, porém, no livro do profeta Habacuque 3.17-18, vemos a experiência do profeta neste sentido e serve de grande ajuda.

Num momento em que a nação de Israel enfrentava uma terrível crise política e espiritual, Habacuque foi capaz de declarar sua plena confiança em Deus e por isso tomou algumas importantes posturas frente às crises. Por causa do pecado, a nação de Israel vivia uma terrível realidade, aumento da violência, da iniquidade e destruição dos padrões morais, além de contendas e injustiças. Habacuque enfrentou momentos de muitas adversidades, porém, ele apresentou uma declaração de confiança em Deus, apesar de sua própria fragilidade (vs. 17), o profeta se alegraria em Deus, reforçando sua esperança no Senhor Deus, ainda que tudo fosse destruído e não houvesse alimento (vs. 18), é importante perceber a força da expressão, "todavia, eu me alegro no SENHOR". O uso do termo "todavia", que é uma conjunção coordenativa adversativa, que tem a função de unir duas frases que são totalmente opostas entre si, ou seja, "ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado, TODAVIA, eu me alegro no SENHOR, exulto no Deus da minha salvação (Hc 3.17-18). Esse termo quebra a expectativa de tragédia que o profeta vinha descrevendo e coloca a toda a confiança e dependência em Deus.

Dizem que a esperança é a última que morre, mas essa frase é mentirosa, porque a esperança do cristão não morre e jamais acaba, porque está nas mãos de um Deus vivo, real, imortal, invencível e soberano. A esperança cristã é o próprio Senhor Jesus Cristo, que prometeu alívio do sofrimento e uma vida cheia de alegria, consolo e amor nos braços de Deus. Como devemos agir nos momentos de aflição? Qual deve ser a conduta de um cristão autêntico? A Escritura Sagrada afirma que que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, somente aqueles que são chamados segundo o propósito de Deus (Romanos 8.28). Estar confiante e alegre mesmo quando tudo parece dar errado, ou atravessamos uma profunda crise, é o grande e verdadeiro desafio de fidelidade, confiança e submissão a Deus!

Identidade Presbiteriana por Igreja Presbiteriana do Brasil em Arcos

Igreja Presbiteriana do Brasil em Arcos
Avenida Governador Valadares, 248, Centro

Facebook: Igreja Presbiteriana do Brasil em Arcos        Instagram: @ipbarcos