AACD Teleton

Pacientes de risco e cuidados com a COVID-19

Publicado em: 27 de julho de 2020 às 08h54
Saúde

Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 16/07/2020) - Edição 2060

Dr. Tarcísio Silva

Desde o início da pandemia de Covid-19, os pacientes do grupo de risco para complicações graves sempre foram a maior preocupação por parte dos médicos. Fazem parte desse grupo os portadores de diabetes, obesidade, hipertensão arterial, doenças do coração e pulmão, pacientes oncológicos, imunodebilitados e idosos.

Por falta de orientação, no entanto, grande parte desses pacientes estão evoluindo com agravamento de suas condições de saúde. Medo de fazerem seus exames e consultas de rotina, abandono dos exercícios físicos e dúvidas quanto à necessidade de continuar com suas medicações são algumas questões que têm colocado os doentes crônicos em sério risco de complicações graves por suas próprias doenças.

A seguir, temos algumas orientações importantes:

 

Consultas, exames e receituários

Os pacientes portadores de doenças crônicas não devem deixar de fazer seus exames e consultas previstas. Muitos têm evitado com medo de se expor a ambientes com aglomerações ou pessoas contaminadas. A maioria dos laboratórios tem opção de coleta domiciliar, e muitos consultórios estão trabalhando com novas normas de controle para evitar aglomerações ou contato entre pacientes, tornando as consultas seguras. O Conselho Federal de Medicina recentemente deu aval para consultas online durante a pandemia, permitindo ajuste de tratamentos e orientações devidas pela internet. Recomenda-se que todas as medicações sejam mantidas conforme orientação médica até a próxima consulta prevista. Importante também saber que o Ministério da Saúde aumentou o prazo de validade para várias receitas médicas, inclusive para programas como Farmácia Popular ou pelo SUS, evitando-se necessidade de consultas muito frequentes na rede pública só para renovação de receitas.

 

 

Exercícios Físicos

Exercícios físicos fazem parte do tratamento de diabetes, hipertensão, cardiopatias, obesidade, doenças do pulmão, transtornos mentais e várias outras condições de saúde. São importantes ainda para alívio do estresse e melhora da imunidade. Durante a pandemia, exercícios em casa são os mais realizados, porém nem todos dispõem de espaço ou orientações para fazer exercícios de forma correta. Desde que respeitadas normas vigentes das autoridades sanitárias do município, exercícios ao ar livre ou academias podem ser realizados.

 

Tratamentos preventivos "da internet"

Não bastasse o coronavírus em si, outro inimigo que precisamos enfrentar durante a pandemia é a divulgação de tratamentos milagrosos, em sua maioria sem qualquer base científica. A internet está cheia de "especialistas" vindo a público, se aproveitando da situação para autopromoção, venda de supostas medicações para prevenir Covid-19, dentre outras aberrações. Os pacientes do grupo de risco são os mais sujeitos a apresentarem efeitos colaterais graves com medicações, por isso devem ter cuidado com esses tratamentos divulgados de forma sensacionalista. De fato, existem muitos tratamentos em pesquisa tanto para tratamento quanto para prevenção da Covid-19, porém será preciso mais tempo para avaliar tanto eficácia quanto segurança. Na dúvida, o que se recomenda é que ninguém saia por aí tomando medicações por conta própria, mas consulte seu médico. Seu médico, baseado em evidências científicas mais recentes, irá avaliar possiblidade de algum tratamento.

Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468