Vende-se Apartamento

QUE DEMOCRACIA É ESTA?

Publicado em: 04 de setembro de 2017 às 08h55
Sebastião Correia da Silva

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 02/09/2017) - Edição 1911

Sebastião Correia da Silva

O meu desejo seria começar o nosso artigo com a seguinte pergunta: Que país é este?,  uma célebre frase de uma famosa canção, cujos intérpretes não aprecio muito, mas  dizem que é muito interessante, devido retratar a situação cada vez mais calamitosa do nosso país. Para não parecer plágio, resolvi iniciar perguntando que democracia é esta.  Parece que estamos vivendo sob uma ditadura travestida de democracia. Há pessoas que afirmam que estamos em plena democracia, porque podemos criticar o governo. Grande coisa! Seria mais preferível não ter motivos para criticar o mesmo.

Afinal, não dizem por aí que o Brasil é um país genuinamente democrático? Onde todos têm liberdade total? Inclusive há um bando de maus brasileiros por aí, repetindo sempre que lutaram para restabelecer a democracia no nosso país, o que não passa de uma deslavada mentira, já que eles também não passam de insolentes esquerdistas sedentos de poder apenas pelo poder ditatorial.  Na verdade, esses mesmos energúmenos foram os culpados pela suspensão temporária da democracia, com a qual desejavam acabar de qualquer maneira. E eles  ainda ousam falar em democracia. Então vamos lá!

Que democracia é esta em que o cidadão se sente obrigado a comparecer a uma seção eleitoral, no dia das eleições, para votar nos estrupícios que nos são apresentados como candidatos?  É verdade que o cidadão não é obrigado a comparecer para votar, mas, sim, para autenticar o título eleitoral, se não quiser perder mais tempo ainda depois para legalizar a situação, ou ter aborrecimento maior, tendo o título cancelado.  Se os nossos políticos fossem realmente democráticos e justos com todos, nem seria necessária obrigatoriedade do voto, o que iríamos fazer espontaneamente, com prazer.

Que democracia é esta, em que as pessoas são submetidas a uma mudança brusca e desnecessária de horário, ou seja, o famigerado Horário de Verão, tudo justificado pela mentirosa economia de energia elétrica? Tal alteração no relógio do tempo não economiza nada, trazendo apenas desconforto às pessoas, já que altera bruscamente o relógio biológico que cada um tem dentro de si. Como não podemos provar o contrário, os homens do governo dizem que economiza.  Quem mais padece com tal mudança são as crianças em idade escolar; os internos dos asilos e os doentes em hospitais, além de quem pega cedo no trabalho.

Com efeito, o Horário de Verão poderia até existir, até por um período mais longo, exclusivamente devido à alteração na duração do dia e da noite, mas que fosse apenas de meia hora, começando junto com a primavera e terminando junto com verão. Assim, castigaria menos, diariamente, as pessoas que sentem seu efeito nocivo, enquanto agradaria as outras que o apreciam. Sim, pois, há pessoas que apreciam o controvertido horário de verão, principalmente as que não têm obrigação de levantar cedo. Enfim, o Horário de Verão é tão maçante, que pessoas que se sentem prejudicadas por ele chamam-no de horário do capeta, enquanto ao outro chamam de horário de Deus.

Que democracia é esta em que o cidadão é obrigado a transitar nas rodovias federais e estaduais, com o farol aceso durante o dia, sob o pretexto de evitar acidentes? Ledo engano! Não evita acidente, pois quem não enxerga um automóvel a certa distância, não vai prestar nenhuma atenção em farol aceso.  Na verdade, esta medida atende a interesses de fabricantes de baterias e lâmpadas automotivas mais do que evita acidentes, bem como é uma parte importante da indústria das multas. Ai daquele que ousar transitar de farol apagado. Será duplamente penalizado, pagando multa pecuniária e perdendo pontos na CNH.

Deixando de lado um elenco de fatos que motivam tal pergunta, falemos do pior deles. Que democracia é esta em que somos obrigados a trabalhar cinco meses por ano, apenas para pagar  os impostos mais altos do mundo? O mais doloroso nisto é que o dinheiro dos impostos não volta em forma de benefício para a população, servindo apenas para sustentar e enriquecer os políticos mais corruptos do mundo e seus cúmplices, conforme está ocorrendo largamente no país, notadamente de certo tempo para cá. Desiludido, como quase todos os brasileiros, ouso perguntar mais uma vez: Que democracia é esta?

Sebastião Correia da Silva por Sebastião Correia da Silva

Artigos - Sebastião Correia da Silva