Mérito Empresarial

93% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão nas residências, diz LIRAa

LIRAa foi realizado neste mês e resultado preocupa

Publicada em: 16 de janeiro de 2018 às 08h57
Saúde

O resultado do Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de janeiro de 2018 mostrou que Arcos está com alto risco de infestação do mosquito Aedes aegypti e que 93% dos focos estão dentro das residências.  O levantamento foi realizado pela Secretaria Municipal de Saúde, através do setor de Endemias e aponta índice de 8,4%, o que coloca o município em situação de alerta.

Desde o início desta gestão, o setor de Endemias vem realizando diversos trabalhos de prevenção e orientação à população contra as doenças dengue, chikungunya, vírus Zika e febre amarela. Ao longo de 2017, agentes de endemias promoveram visitas nas casas, estabelecimentos comerciais e ainda profissionais de Saúde realizaram orientações e palestras nas escolas, grupos de bairros e no Comitê da Dengue, porém, ainda assim, o resultado neste ano é muito preocupante, já que mesmo após diversas intervenções nas residências de Arcos, os moradores continuam inadimplentes quanto aos cuidados contra o mosquito.

“Apesar de todo o trabalho desenvolvido durante o último ano e o bom resultado que nós obtivemos, ainda falta a cooperação dos moradores. Encontramos muitos focos do mosquito em caixas de água, pneus, máquinas de lavar, vasos de plantas, materiais de construção, tanques, entre outros. É preciso que os moradores realmente leve este assunto a sério e coloquem em prática todas as ações de prevenção, para que Arcos não sofra novamente uma epidemia”, afirmou o coordenador de Endemias Tiago Carvalho.

Conforme o LIRAa os bairros com maior índice de infestação são o Niterói, Novo Eldorado, Cruzeiro , Mangabeiras, Novo Horizonte, Jardim Bela Vista, Brasília, Jardim Esplanada, Floresta, Eldorado, São Vicente, São Judas e Centro.     Devido o alto índice e risco de epidemia das doenças causadas pelo mosquito, o setor de Endemias está disponibilizando o telefone do Disque Dengue (37) 3352-1056 e intensificará os trabalhos. No entanto, a população é a principal responsável para que não haja proliferação do mosquito, já que a maioria dos focos está nas residências.

                                                          

Quando é considerado alto índice de infestação?

Segundo o mobilizador em Saúde Geraldo Moura, de 1 a 3,99% considera-se situação de médio risco e acima de 4% passa a ser considerado alto risco de epidemia das doenças causadas pelo mosquito Aedes Aegypti.

 

Como é feito o LIRAa?

O Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) é realizado através de pesquisa de três regiões da cidade e com isso as análises de criadouros foram executadas. Mais de 40% dos focos foram encontrados em depósitos móveis como vasos e pratos de plantas, além de pingadeiras e bebedouros de animais. E pouco mais de 30% em depósitos ao nível do solo, como barris, tambor, tanques e poços. Ainda foram encontrados focos em depósitos elevados e fixos como caixas de água,calhas, obras e etc. Além destes, através do LIRAa foi encontrado focos em lixos, pneus e outros materiais.   

Anualmente, são desenvolvidos quatro levantamentos ao todo. Estes dados são importantes, pois orientam os trabalhos dos agentes municipais de endemias e auxiliam o poder público no diagnóstico e acompanhamento da situação nos municípios brasileiros.

 

Regiões analisadas

 

Extrato: 01 – 10,6% - Alto Risco

Bairros: Floresta, Pinheiros,  Jardim América, Gameleira, Niterói, Cruzeiro, Esperança I, Esperança II, Novo Horizonte, São Francisco, Centro, Macedos, Nossa Senhora do Carmo, São José, São Pedro, Lourdes, Cidade Nova, Planalto II, Planalto, Novo Eldorado, Eldorado, Juca Dias, Jardim Bela Vista.

Extrato: 02 -  7% - Alto Risco

Bairros: Olaria, Alvorada, Nova Morada I e II, Vila B. Vista, Buritis, Belvedere, Residencial Hilda Borges,  Santo Antônio, Sol Nascente, Santa Cruz, São Vicente,  Oliveiras, Sion, Novo Sion, Brasília,  Mangabeiras, Esplanada, Jardim Esplanada II, Califórnia, Castelo, Distrito Industrial.

Extrato: 03 -  7% - Alto Risco

Bairros:  Calcita, Santa Efigenia e Nossa S. Aparecida, São Judas, Juá e Jardim Canadá.

 

Febre amarela

Com a alta proliferação do mosquito Aedes aegypti e devido ao vírus estar circulando na região Centro-Oeste de Minas Gerais, o risco de contrair febre amarela está muito alto, portanto, a população deve procurar a unidade de Saúde mais próxima e se vacinar. Para aqueles que não lembram se já tomaram a vacina ou esqueceram o cartão de vacina, a recomendação do Ministério Público é que de qualquer forma seja vacinado.

Apenas os casos de idosos, gestantes e grupos de riscos deverão consultar primeiro o médico da unidade. 

 

Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Arcos