Vende-se Apartamento
TRADIÇÃO

Armazém São Miguel está em atividade há 70 anos

Segundo o proprietário, as mercearias estão conseguindo fixar bons preços porque são empresas familiares, em imóveis próprios, com baixos custos

Publicada em: 22 de maio de 2017 às 11h07
História de Arcos
Armazém São Miguel está em atividade há 70 anos

Fachada atual da mercearia: há mais de 50 anos na avenida Governador Valadares

(Publicada pelo Jornal CCO impresso em 26-03-2017)

Quando o assunto é tradição e memória do comércio em Arcos, vem à mente o Armazém São Miguel (“Armazém do Olívio”). Inaugurado inicialmente em Calciolândia, há aproximadamente 70 anos (1947), foi transferido para a avenida Governador Valadares há mais de 50 anos.  Os proprietários eram Geraldo Carvalho da Silva e Olívio Vieira de Faria, irmão de Edgar Faria, ex-prefeito de Arcos.
Há quatro anos, ainda era o imóvel original, que foi reformado e ampliado. Até 2013, o armazém foi mantido no estilo tradicional, por exemplo, com balanças de pesar sacarias e também a balança de prato, que a família mantém conservadas.
Depois da reforma, a mercearia está bem mais moderna, mas nada mudou em relação à cordialidade no atendimento e qualidade dos produtos. “Apesar da modernidade, nós procuramos manter a tradição do nosso comércio. Nossa prioridade é o atendimento, assim como a garantia de bons preços”, diz o proprietário, Olívio Nogueira de Carvalho, 52 anos, filho de Geraldo Carvalho. O comerciante ressalta que oferece algumas mercadorias mais baratas do que as que são vendidas em grandes supermercados da cidade, a exemplo de vassouras, rodos e prestobarba.
Um dos diferenciais, para tentar driblar a concorrência com os grandes supermercados, é a venda de hortaliças orgânicas e frango caipira, dentre outros itens. “Temos uma produção própria de ovos de codorna e também de hortifrúti, que são produtos totalmente livres de agrotóxicos. Temos uma produção de frango caipira legítimo”, conta, entusiasmado, afirmando que sempre segue todas as normas e todas as legislações, para garantir a qualidade dos produtos.
Ainda sobre a concorrência com os hipermercados, Olívio defende os pequenos: “Quem verdadeiramente está procurando preço e qualidade, está fugindo dos hipermercados. A diferença de preços de muitos produtos é enorme, e as pessoas estão descobrindo isso”. Ele explica que as mercearias estão conseguindo fixar bons preços porque não têm muitos custos, afinal, geralmente são empresas familiares, em imóveis próprios.  “Conseguimos colocar os preços mais baratos porque, aqui, são dois fun-cionários e o resto é da família. Também não pago aluguel (imóvel próprio). Tudo isso faz reduzir custos”, comenta, incentivando os consumidores a fazerem suas compras nos pequenos supermercados da cidade. (Reportagem e Redação: Jornalista Rita Miranda - CCO).