Mérito Empresarial

De 2004 até 2015 foram registrados 34 casos de AIDS em Arcos

Nesse período, foram notificados quatro casos de pessoas na faixa etária de 15 a 24 anos

Publicada em: 27 de setembro de 2017 às 08h45
Saúde

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 21/09/2017) - Edição 1914

Em análise aos “Indicadores e Dados Básicos da AIDS nos Municípios Brasileiros”, disponibilizados no site www.aids.gov.br, verifica-se que de 2004 até 2015 (11 anos), foram registrados 34 casos da doença em Arcos, sendo 25 homens e nove mulheres. Em 2016 não houve nenhum caso registrado. Quanto aos dados de 2017, ainda não estão no sistema.

No período de 1980 a 2003 (23 anos), foram notificados 25 casos da doença no Município (16 homens e nove mulheres, incluindo uma criança com idade abaixo de 5 anos e um jovem na faixa etária de 15 a 24 anos).

No período de 2004 a 2015, não há registros de casos da doença em menores de 5 anos. Já na idade entre 15 a 24 anos, são quatro casos.

Ainda em Arcos, de 1980 a 2003 (23 anos) foram registrados 10 óbitos por causa da doença; de 2004 a 2015 (11 anos) foram 13 óbitos.

As tabelas abaixo têm como fonte os Indicadores e Dados Básicos da AIDS nos municípios brasileiros (www.aids.gov.br), selecionando Arcos:

 

Casos de AIDS notificados no SINAN (Sistema de Informações de Agravos de Notificação), declarados no SIM (Sistema de Informações sobre Mortalidade) e registrados no SISCEL (Sistema de Controle de Exames Laboratoriais da Rede Nacional de Contagem de Linfócitos CD4+/CD8+ e Carga Viral) / SICLOM (Sistema Informatizado de Controle Logístico de Medicamentos) por ano de diagnóstico.

Casos de AIDS

1980-2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

Total

Total

25

2

5

4

2

7

2

1

2

1

4

2

2

0

59

Homens

16

2

4

2

1

6

1

1

1

1

2

2

2

0

41

Mulheres

9

0

1

2

1

1

1

0

1

0

2

0

0

0

18

Menores de 5 anos

1

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

1

Entre 15 e 24 anos

1

0

0

0

0

1

1

0

1

0

0

0

1

0

5

 

Óbitos por causa básica AIDS e coeficiente de mortalidade bruta por AIDS (por 100.000 hab.), por ano do óbito.

 

1980-2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

2015

Total

Óbitos por AIDS

10

0

0

2

2

1

0

1

1

2

2

0

2

23

Taxa bruta de mortalidade

-

0,0

0,0

5,5

5,4

2,8

0,0

2,7

2,7

5,4

5,2

0,0

5,1

-

 

Mais de 30 moradores de Arcos realizam o tratamento contra o HIV atualmente

O CCO também solicitou informações à enfermeira Daniela Alves Rocha, que é responsável técnica da Fumusa (Fundação Municipal de Saúde e Assistência Social de Arcos) e coordenadora da Vigilância Epidemiológica em Arcos. Veja, abaixo, os dados repassados ao Jornal.

Trinta e uma pessoas que moram em Arcos (todos adultos) realizam o tratamento contra o HIV atualmente. Os acompanhamentos médicos e exames são realizados pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Os pacientes podem ser encaminhados diretamente para o serviço, sem ter que obrigatoriamente passar pela Secretaria Municipal de Saúde de Arcos. Os medicamentos também são distribuídos pela Secretaria de Estado. Não são enviados para Arcos. Eles são entregues pelo serviço de referência onde o paciente é acompanhado.

O CCO perguntou o número de pacientes que foram diagnosticados com AIDS em Arcos neste ano de 2017 até então, assim como os números referentes a 2015 e 2016. Também solicitamos a faixa etária dos mesmos. Fomos informados que  o número de pacientes vem aumentando, porém, não têm registro de datas de todos diagnósticos, uma vez que muitos pacientes não passam pela Secretaria de Saúde de Arcos, vão direto para o centro de referência.

De acordo com os dados do site www.aids.gov.br, quando se seleciona o Município, foram feitas duas notificações em 2014 e duas em 2015. Em 2016 não houve notificações. Os números referentes a 2017 não estão disponíveis.

Dois moradores de Arcos morreram em virtude da AIDS nos últimos anos, considerando os anos de 2015 e 2016 e 2017 até então. Segundo a informação obtida pela enfermeira Daniela Rocha, esses dois pacientes não estavam tomando a medicação, por decisão própria.

 

Exames – Em novembro de 2015, a então enfermeira responsável técnica do Hospital Municipal São José, Silvana Lima, informou ao CCO que o teste rápido para HIV não era disponibilizado para a rede pública em Arcos, mas sim, um exame mais seguro. Atualmente, segundo a enfermeira Daniela Rocha, os profissionais estão sendo treinados pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas e somente após a finalização dos treinamentos é que os testes rápidos serão implantados no município. Quanto aos exames, são realizados pela FUNED (Fundação Ezequiel Dias), por meio do laboratório Municipal e com alto rigor na preservação do paciente.

É muito importante se submeter ao exame. AIDS ainda não tem cura, mas tem tratamento.

O CCO dará sequência a reportagens sobre o assunto, com foco na cidade de Arcos.