Vende-se Apartamento

Décadas de 1950 e 1960 em Arcos foram marcadas pelo desenvolvimento

A indústria de maior destaque na cidade era a Samigue, que produzia leite em pó e manteiga; em 1963 foi comprada pela Nestlé

Publicada em: 27 de julho de 2018 às 09h05
História de Arcos
Décadas de 1950 e 1960 em Arcos foram marcadas pelo desenvolvimento

Foto: site Mercado Livre.

 

Em 1960, já eram desenvolvidas várias atividades econômicas em Arcos. De acordo com divulgação da revista Flash de Minas, disponibilizada ao Jornal CCO pelo Museu do Enéias, naquela época o Município estava em fase de desenvolvimento por meio da indústria e do comércio.

A edição da revista, do ano 1961, noticia que as décadas de 1950 a 1960 foram de maior crescimento para a cidade de Arcos. Naquele período, 1950 a 1960, foram prefeitos de Arcos: Dr. João Vaz Sobrinho (pai de Plácido Vaz), José Vilela de Oliveira, Dr. João Vaz Sobrinho (2º mandato), Edgar Faria Gontijo (1º mandato). “Ergue-se a cidade que nesses últimos dez anos tem crescido de modo estupendo, graças ao trabalho constante da sua laboriosa população” (Revista Flash de Minas, página 08).

Arcos é descrita como uma cidade riquíssima, devido seu solo ter grandes reservas de calcário, além de inúmeros minérios preciosos. A cidade  também possuía um dos maiores rebanhos de bovinos, suínos e equinos e estava com uma agricultura em grande desenvolvimento, produzindo abundantemente milho, arroz, feijão e mandioca e – em menor escala – café, cana de açúcar, algodão, abacaxi e batatas, ocupando assim um lugar de destaque na pecuária mineira.

A partir de 1955, as atividades comerciais arcoenses tiveram maior desenvolvimento, assim como o setor de construção civil, que também crescia de modo acelerado. No setor industrial, Arcos já contava com várias fábricas importantes, a exemplo da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), Icominas e a Companhia de Cimento Portland Itaú, do Grupo Votorantim. Com maior destaque na revista estão as empresas Samigue, que produzia leite em pó e manteiga, e a Comice, que produzia cimento.

 

 

Arcos tinha fábrica de leite em pó e manteiga: a maior de  Minas

A fábrica da Samigue (Indústria São Miguel de Produtos Alimentícios S.A.) foi fundada em Arcos em 1941, por Roberto Andrade (um dos fundadores da Construtora Andrade Gutierrez), José Maurício de Andrade (que foi deputado estadual por dois mandatos e federal por três mandados – entre 1947 a 1969], Donato de Andrade (ex-deputado estadual de 1919 a 1922 e pai de Roberto e Maurício) e Wander de Andrade (irmão de Donato). Maurício Andrade era o marido de Dona Hilda Andrade, que foi prefeita de Arcos nas gestões 1989/1992 e 1997/2000. Dona Hilda faleceu em 2008 e Dr. Maurício em 2011.

De acordo com a biografia de Gabriel Donato Andrade (principal fundador da Construtora Andrade Gutierrez), escrita pelo jornalista e escritor Camilo Vannuchi no site Na Estrada com Gabriel Andrade, na fazenda da família Andrade já se produzia laticínios desde 1920. A Indústria São Miguel de Produtos Alimentícios, que antes era conhecida como ISMPAL, já funcionava desde 1938, porém, em 1940 recebeu o nome fantasia de Samigue, que é a contração de São Miguel e em junho de 1941 foi fundada em Arcos. A planta da empresa foi comprada ainda encaixotada, de um primo de Gabriel Andrade, em Caxambu, sul de Minas, e transferida peça por peça para Arcos.  

Com um capital de Cr$100 milhões de cruzeiro, a fábrica situada em Arcos na fazenda de Calciolândia era considerada a maior fábrica de leite em pó e de manteiga do Estado de Minas Gerais. Os produtos fabricados por ela eram a manteiga JOÁ e três marcas diferentes de leite em pó: Pulvolac, Nutrolac e Superlac.

De acordo com a biografia, centenas de latas de dez quilos da manteiga embarcavam semanalmente na estação rumo ao Rio de Janeiro. A fábrica que processava 2 mil litros de leite por dia, em 1938, bateu a marca de 130 mil litros diários em 1950. Os produtos que ficaram bem conhecidos pelos consumidores chegaram a ser recomendados por pediatras influentes da época.

Para atender aos milhares de clientes de todo o Brasil, a Samigue contava com três filiais, sendo em Minas Gerais, Bahia e Rio de Janeiro, além dos representantes e depósitos nas principais cidades do país. Em 1963, a fábrica foi adquirida pela Nestlé, que na época era sua concorrente. Em agosto de 1998, as atividades da unidade da Nestlé em Arcos foram encerradas.

 

Indústria e comércio em 1940

De acordo com um documento de 1940, feito para a instalação da Comarca em Arcos, na época o município era movido pelas seguintes atividades econômicas: mais de 100 engenhos de cana, utilizados para moagem para a fabricação de aguardente e rapadura; três fábricas de manteiga; fábricas de móveis, farinha de milho, banha, cal, selarias, olarias; indústria manual de interessantes objetos e trabalho em chifre. Também contava com tipografias, sapatarias e alfaiatarias.

Fonte: Jornal Correio Centro Oeste - Arcos/MG (CCO - Impresso), com informações da Revista Flash Minas/1960