Animalis

Desafios das agências de turismo arcoenses

Publicada em: 21 de setembro de 2021 às 11h08
Geral
Arcos

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 11 de setembro de 2021) Edição 2119

Assim como em todo país, agências, operadores de turismo, pontos turísticos e os serviços de hospedagens foram prejudicados com as restrições necessárias para conter o novo coronavírus.
Os desafios para superar a pandemia foram enormes, como explica Adriana Araújo, proprietária de uma agência de turismo em Arcos: "O maior desafio foi sobreviver sem vendas, manter funcionários e continuar pagando aluguel como se estivesse em plena lucratividade".

Outro problema enfrentado pelas agências foi a necessidade de reacomodar os clientes que já haviam adquirido algum tipo de serviço, principalmente no início da pandemia. Hugo Ribeiro, também proprietário de uma agência, reforça que esse foi um dos maiores desafios.

"Para nós, o mais complicado foi quando estourou mesmo, quando foi o boom da pandemia. Tiveram muitos voos cancelados e o pessoal estava com muito medo de viajar. Então, a gente teve que reacomodar todo esse pessoal".

Hugo afirmou também que algumas pessoas cancelaram e, por consequência, teve que fazer o reembolso. "O mais complicado foi isso", lamenta.

Redução de gastos e inovações

Situações de crise requerem medidas drásticas e criatividade para que o negócio se mantenha. As agências de Arcos tiveram que reduzir custos e inovar para manter os acordos firmados. "A gente teve que reduzir o máximo possível, né! Renegociamos diversas coisas da agência para honrar todos os compromissos", comentou Hugo Ribeiro.

Adriana Araújo acrescenta que as medidas trabalhistas do Governo ajudaram a manter funcionários. Ela também usou do tempo livre para investir na qualificação da agência. "Aderimos a algumas medidas do Governo em relação a funcionários e fizemos cursos de aperfeiçoamento de roteiros".

O uso das redes sociais se intensificou e foi, principalmente durante o fechamento dos comércios, o meio de contato mais importante. Além disso, Hugo reforçou que a credibilidade da empresa e o tempo de mercado foram cruciais para a manutenção da agência.

A retomada

Com o avanço da vacinação e a redução no número dos casos de Covid-19 no Brasil, o setor turístico vai retomando suas atividades.

No final de 2020, o Governo Federal liberou uma linha de crédito de R$ 5 bilhões para socorrer o setor e iniciar a retomada. Os principais contemplados da linha de crédito foram as micro, pequenas e médias empresas do ramo.
Segundo indicou o levantamento feito pelo Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), houve uma alta de 19,4% entre junho e julho na taxa de ocupação hoteleira no país.

A taxa de empregos também voltou a crescer no setor. O estudo "Monitora Turismo" do Ministério do Trabalho e Previdência apontou um crescimento de 25% nas vagas formais ocupadas no mês de julho.

O efeito da retomada já pode ser sentido pelos operadores arcoenses, como diz a proprietária da Ata Tur Viagens: "A retomada está lenta, mas satisfatória. Tem muita gente com medo de viajar ainda, mas asseguro que com todos os cuidados é possível viajar".

Um levantamento do IPC Maps (Índice de Potencial de Consumo) confirma a tendência de recuperação no turismo. Os números mostram que os gastos dos brasileiros com viagens, até o fim de 2021, devem superar em 12,7% aos gastos de 2020.

Os serviços e destinos mais escolhidos

Um estudo realizado, entre junho e julho deste ano, pelo SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) em conjunto com a Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV) aponta que, no Brasil, praia foi o segmento mais procurado por 84% dos viajantes.

Continuando a lista dos três segmentos mais procurados pelos brasileiros, os números apontam para destinos culturais e históricos em segundo lugar e, na terceira posição, ecoturismo.
Para os arcoenses não foi diferente e os destinos de praia também foram os mais procurados, de acordo com as agências de viagens de Arcos. "A gente está vendendo mais destinos nacionais mesmo, [...] sendo o Nordeste o nosso carro-chefe", acrescentou Hugo Ribeiro.

Adriana Araújo também apontou uma mudança de comportamento dos clientes: "Alguns clientes estão estreando opções All Inclusive (tudo incluso) para ficarem mais seguros e não precisarem sair do hotel".
Isso mostra que as agências de turismo e viagens têm identificado, entre as principais mudanças no comportamento do consumidor, maior procura por locais que seguem com mais rigor os protocolos de segurança, como os resorts.