Santa Cassa

‘Dude Retratista’: famoso fotógrafo em Arcos nas décadas de 1970 e 1980

Publicada em: 26 de setembro de 2019 às 14h18
História de Arcos
Memória
Recortes do Tempo - Histórias de Arcos

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 21/09/2019) - Edição 2019

“Dude Retratista”, nome bem conhecido pela geração daqueles que nasceram nas décadas de 1970 e 1980. Na época em que poucas pessoas tinham “máquina de retrato”, contratava-se o fotógrafo para ir às festas de família, geralmente em casa mesmo. Dude era presença garantida nos casamentos e aniversários. Também fez muitas fotos de políticos locais, de celebridades e nas indústrias.

Hoje com seus 88 anos, José Roberto (Dude) ainda trabalha, bem mais pouco, porque já está aposentado. Em entrevista ao Jornal e Portal CCO, relembrou sua trajetória na profissão e de algumas pessoas que teve a oportunidade de fotografar.
Natural de Iguatama, começou a trabalhar no ofício de barbeiro e depois decidiu iniciar na profissão de fotógrafo, aprendendo na prática. “Aprendi fotografia com um fotógrafo lá de Formiga, Marcelo Barbosa. Comprei dele o laboratório e o maquinário com a condição de ele me ensinar”, conta.

Dude é casado com Gislene Pereira Roberto, de 74 anos, com quem teve três filhas: Gisleila (dona de casa), Gisleia (empresária) e Gislane (professora). O casal tem cinco netos e um bisneto.

Quando se tornou fotógrafo, conciliava os dois trabalhos, para complementar a renda mensal. A esposa sempre o ajudou na revelação das fotos. Em 1976, veio morar em Arcos com a família. Quando chegou, já havia dois fotógrafos na cidade: Jair e Clóvis, mesmo assim, não faltava trabalho. Seu estúdio e sua casa eram localizados na rua Jarbas Ferreira Pires, próximo ao banco Itaú. Ele prestava serviços fazendo fotografias e revelando; e como na época as pessoas não tinham máquina fotográfica, também emprestava a máquina e vendia o filme.

Dude trabalhou fazendo fotos de crianças, gestantes, casamentos, batizados, aniversários, desfiles, fotos de políticos e de famosos. “Eu fotografei a Igreja do Santo Antônio do princípio ao fim. Fiz retratos de deputados, do Sérgio Reis, Magalhães Pinto, Perla e do Roni Von”, relembra. Também fotografou vários prefeitos de Arcos e vários padres que já estiveram aqui. Fez coberturas fotográficas para a Prefeitura, na gestão do ex-prefeito Plácido Ribeiro Vaz, e prestou vários serviços para o Rotary Club.

Entre os políticos que já fotografou, ele cita a ex-prefeita Hilda Andrade, com quem teve uma grande amizade. “Eu estive em Calciolândia no aniversário da Dona Hilda, quando ela era prefeita aqui. Eu levei uma máquina simples e quando chego lá era aquele festão! Aí eu bati umas 50 fotos. [...] Em todo lugar que ela me via, me cumprimentava e conversava. Eu tenho saudade dela”.

 

 

Fotografia nos tempos atuais

Sobre as mudanças tecnológicas na fotografia, ele diz que as fotos de sua época eram melhores do que as de hoje, em relação à durabilidade. “Não tinha tanta reclamação como tem hoje. Essas fotos digitais são como um xérox, duram pouco tempo”.

Dude ainda não se acostumou com a tendência de não revelar fotos, de não tê-las guardadas em um álbum convencional, como antigamente. Afinal, hoje as pessoas fazem as fotos e simplesmente deixam em um computador ou no celular. “Eu vou às festas dos meus netos, aniversários da família e eles tiram as fotos lá e, às vezes, eu nem vejo, porque ficam no computador”.

 

O dia a dia

Mesmo aposentado desde os 65 anos, Dude continua fazendo algumas fotos. “Eu ainda faço fotos. Hoje eles chamam a gente menos, mas a gente vai de vez em quando”, comentou. Ele também continua exercendo o ofício de barbeiro, num salão anexado à sua casa. Seu lazer é assistir ao futebol. Seus times favoritos são o Atlético Mineiro, Flamengo, Corinthians e Associação de Arcos.

Ao final da entrevista, Dude disse que hoje se sente realizado e feliz como pessoa, devido ao trabalho que realizou como fotógrafo em Arcos.