FIEMG

Ela tem a idade da emancipação de Arcos: 81 anos

Publicada em: 07 de setembro de 2019 às 08h00
Arcos
Memória
Recortes do Tempo - Histórias de Arcos

(Matéria especial publicada no Caderno de Aniversário da Cidade - Arcos 81 anos) - Na edição 2009 de 13/07/2019

A professora aposentada Vera Maria Nogueira Amorim Alves Teixeira, 81 anos, nasceu em 19 de janeiro de 1938. Já completou seus 81 anos, o mesmo número de anos da emancipação de Arcos.

Em entrevista ao Jornal e Portal CCO, Dona Vera falou de suas lembranças da infância e da juventude. “Os postes aqui eram todos de madeira, as ruas não tinham calçamento. Também me lembro que o primeiro campo de vôlei de Arcos foi em frente ao grupo Yolanda”, conta.

Desde menina, ela quis trabalhar fora. Fez Magistério na Escola Normal em Formiga e um curso de educação física em Goiânia. Com o preparo exigido, começou a lecionar em 1958, em Calciolândia, numa época em que ia para escola no caminhão leiteiro. “Quando chovia, o caminhão atolava e era aquela dificuldade”, relembra.

Em 1961, começou a dar aulas no então Colégio Comercial (Dom Belchior). Ao longo de sua carreira, trabalhou nas escolas estaduais “Yolanda Jovino Vaz” e “Berenice de Magalhães Pinto”. Além de professora, foi inspetora em várias escolas.
Dona Vera também foi coordenadora do Poliesportivo na gestão da ex-prefeita Hilda Andrade, até 2001. “Dona Hilda deu muito incentivo no esporte, havia muitos campeonatos na época”, relembra e cita Edgar Faria como outro ex-prefeito que tem a admiração dela.

Ao relembrar o “cenário” da cidade de Arcos de décadas passadas, ela diz que as opções de lazer eram muitas.  “Arcos tinha muito mais opções de lazer, quando eu era moça: ‘Chapéu de Palha’, Gamelão, Varanda, tio Patinhas, Clube (onde hoje é uma ótica – esquina da rua Getúlio Vargas com a rua São Geraldo), cinema, bares como o Zepelim, futebol nos campos  do Associação e Ypiranga”.

Dona Vera também sente saudades dos antigos desfiles cívicos, com participação das agremiações esportivas, empresas, indústrias e escolas.

Quanto às suas sugestões para Arcos, ela diz que a Santa Casa deveria ter uma CTI (Central de Tratamento Intensivo), para evitar a necessidade dos pacientes serem encaminhados para outras cidades.