UNINTER

Governo do Estado libera R$1 milhão para Santa Casa de Arcos, por indicação do deputado Arantes

Recursos serão utilizados na compra de medicamentos, materiais de consumo do hospital e materiais de consumo de limpeza/higienização

Publicada em: 13 de janeiro de 2020 às 16h34
Arcos
Política
Saúde

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 11/01/2020) - Edição 2034

O dia 31 de dezembro de 2019 ficará marcado na história da Santa Casa de Arcos. Nessa data, o valor de R$ 1 milhão, dinheiro público proveniente do Estado de Minas Gerais, foi depositado na conta da instituição, que é o único hospital de Arcos com estrutura adequada para internação, seja pelo SUS, atendimento particular ou por meio de convênio. É também a instituição de saúde onde está a única maternidade da cidade.

O auxílio foi solicitado ao deputado estadual Antônio Carlos Arantes pela diretoria da Santa Casa e pelo médico Wellington Roque. O parlamentar fez a indicação junto ao governador Romeu Zema e foi atendido.

Segundo a técnica administrativa da Santa Casa, Cláudia Almeida, o recurso foi repassado por meio de convênio celebrado com o Estado por intermédio da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, sob Termo de Convênio assinado em 30 de dezembro de 2019.

Em agosto de 2019, em reunião agendada pelo deputado Antônio Carlos Arantes, ele acompanhou representantes da Santa Casa na Cidade Administrativa, para uma reunião com o secretário de Saúde do Estado, quando solicitaram o repasse do saldo do recurso destinado para a construção do Bloco Cirúrgico/Obstétrico e Parto Normal e Centro de Material e Esterilização (CME). A obra foi iniciada em março de 2014 e executada em, aproximadamente, 65%, estando paralisada desde setembro de 2016. Na reunião, eles foram informados que o convênio do Bloco Cirúrgico/CME não poderia mais ser prorrogado, porque já estavam completando seis anos de vigência. Naquele momento foi sugerida a indicação de recurso para custeio, orientando que aSanta Casa concluísse a construção do Bloco Cirúrgico e CME com recurso próprio. Portanto, segundo o chefe de gabinete do deputado, Luciano Gontijo, a atual diretoria do hospital deverá assumir o compromisso de investir na obra os recursos próprios economizados em virtude do repasse de R$ 1 milhão para custeio.

A técnica administrativa do hospital informa que a verba será utilizada para aquisição de materiais de consumo e medicamentos definidos em Planilha anexa à Proposta do Plano de Trabalho aprovado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. A vigência do convênio está prevista para 365 dias.

Os itens foram relacionados e quantificados pelos responsáveis pelos seguintes setores: Farmácia (farmacêutico Luís Cláudio de Moura Fernandes), SND (nutricionista Maria José Ferreira), Lavanderia e Higienização (coordenadora Maria Aparecida Cardoso). Os valores foram estimados a partir de cotações realizadas pelo Setor de Compras. “É importante ressaltar a importância dessa equipe, pois as informações fornecidas por cada um deles foram fundamentais para a elaboração da Proposta de Plano de Trabalho”, comenta Cláudia Almeida.

A Proposta do Plano de Trabalho contempla o custeio de materiais de consumo agrupados por especificação (com os itens de consumo já definidos por nome e quantidade), da seguinte forma: Medicamentos – R$588.443,60; Materiais de consumo do hospital – R$167.230,02; Material de consumo de limpeza/higienização/SND/escritório/CAF – R$244.326,38.

A técnica administrativa relatou que os itens de consumo do hospital que não estão relacionados na planilha do Plano de Trabalho aprovado serão custeados com recurso próprio do hospital. “É fato que, com a celebração do convênio, a Santa Casa terá a possibilidade de destinar o recurso próprio que seria utilizado para a aquisição dos itens relacionados na Planilha do Plano de Trabalho para a continuidade das atividades de construção do Bloco Cirúrgico e do CME. Indiretamente, também irá contribuir para a redução da dívida do hospital, uma vez que o recurso próprio que seria utilizado para a aquisição dos itens do Plano de Trabalho também serão utilizados para reduzir a dívida”, informou Cláudia Almeida.

 

“Aqui [na Santa Casa de Arcos] tem uma equipe preparada, comprometida, que faz a diferença. Cumprimento toda a equipe e a irmã Sandra, porque trabalharam de uma forma impressionante. O recurso está nas mãos de gente séria”

O cheque simbólico foi entregue na portaria da Santa Casa, no final da tarde do dia 2 de janeiro. A provedora do hospital, Irmã Sandra Gontijo, que assumiu a liderança da diretoria em maio de 2019, conhece o deputado Antônio Carlos Arantes há aproximadamente 20 anos e já havia contado com o intermédio dele em outra ocasião, para liberação de recursos para compra de computadores para outra instituição filantrópica onde ela trabalhava, em Baependi.

O deputado falou da amizade com irmã Sandra Gontijo, enfatizando a devoção que têm em comum, pela beata Nhá Chica. Em seguida, disse que a técnica administrativa da Santa Casa, Cláudia Almeida, teve um papel fundamental para a liberação da verba. “Deu certo porque aqui [na Santa Casa de Arcos] tem uma equipe preparada, comprometida, que faz a diferença. Cumprimento toda a equipe e a irmã Sandra, porque trabalharam de uma forma impressionante. O recurso está nas mãos de gente séria, de uma entidade séria como a Santa Casa, com uma equipe preparada”, enfatizou.

 

Deputado faz indicações para Arcos ao longo de mais de uma década

Em entrevista coletiva, o deputado Antônio Carlos Arantes disse que está presente na vida política e pública de Arcos há 13 anos. Falou, ainda, sobre a dificuldade de conseguir a liberação do recuso logo no final do ano, pelo fato de ser um projeto complexo e extenso, “um dos maiores valores liberados para Municípios”. “Isso fez com que tivesse uma complexidade maior na análise jurídica e técnica. Houve uma ação política mesmo, que fiz com o Governador; com o secretário de Governo, Bilac Pinto;seu secretário adjunto, José Geraldo; o secretário de Saúde, Carlos Eduardo do Amaral e uma equipe grande ajudando. Mas nada disso teria acontecido se não tivesse agilidade, seriedade e muita competência da equipe montada por irmã Sandra. É impressionante a competência que Irmã Sandra implantou na Santa Casa, na gestão”, enfatizou.

Arantes também já atendeu a uma solicitação da diretoria da Santa Casa em 2017, quando fez a indicação de R$ 50 mil. Já intermediou a liberação de recursos para a Associação Atlética Arcoense, para o Vila Esporte Clube, para escolas estaduais na cidade, para reforma do Chopão no Parque de Exposições, dentre outras. “Nesses 13 anos, acho que não teve nenhum ano que não tenhamos conseguido recursos para Arcos”, afirmou.

 

“Tenho certeza que a nossa Santa Casa vai marcar história”, disse o presidente da Câmara de Arcos

O presidente da Câmara Municipal de Arcos disse ao CCO que, há aproximadamente um ano, o deputado já havia visitado a obra do bloco cirúrgico, quando Urbano Albuquerque era provedor (gestão maio de 2016 a abril de 2019). Dr. Wellington Roque, Urbano Albuquerque, Fernando Ribeiro (provedor no período de maio de 2010 a abril de 2016)e o arcoense Luciano Gontijo (chefe de gabinete do deputado) acompanharam a visita. “Hoje o deputado volta à cidade de Arcos, confirmando seu compromisso. A política que ora o deputado Antônio Arantes faz neste momento é voltada para todos os acolhidos na Santa Casa. Temos certeza que nossa Santa Casa vai marcar a história”, disse Rodrigo Pfister.

 

Dr. Wellington faz discurso emocionado

O médico Wellington Roque, visivelmente emocionado e eufórico, enfatizou que voltou para Arcos, em 2004, para trabalhar na Santa Casa como um projeto de vida. “Eu trabalhava em um grande hospital em Belo Horizonte e voltei sentindo na pele o que é fazer medicina em cidade pequena. Eu me propus a entrar para a vida pública, porque é onde estão os recursos para realizarmos o que estamos realizando hoje. Por isso eu quero agradecer pela boa vontade, pelo carinho e compromisso que o senhor tem com os lugares onde as pessoas acreditam no senhor”, disse, dirigindo-se ao deputado Arantes.

O médico também destacou a importância do trabalho realizado pelo ex-provedor do hospital, Fernando Ribeiro, que iniciou a construção do bloco cirúrgico, contando com o apoio do então prefeito, médico Roberto Alves.

Dr. Wellington Roque também citou o ex-provedor, Urbano Albuquerque, que antecedeu irmã Sandra Gontijo, lembrando de uma visita do deputado à obra do bloco cirúrgico na gestão dele. Disse que, naquela ocasião, também solicitou recursos para a Santa Casa. “Quando eu era vice-prefeito, o Urbano e eu estivemos com Dr. Fausto Pereira (ex-secretário de Saúde do Fernando Pimentel), que mandou algumas parcelas para o bloco, mas o Estado estava sucateado e esse bloco avançou muito pouco e está parado há três anos”, comentou.

Em seguida, cumprimentou a atual provedora e também fez elogios à técnica administrativa da Santa Casa, Cláudia Almeida.

 

Aproximadamente 60% dos atendimentos na Santa Casa são realizados pelo SUS

O médico Wellington Roque afirmou que mais de 50% dos atendimentos realizados na Santa Casa de Arcos são serviços públicos, custeados pelo SUS (Sistema Único de Saúde), a exemplo das internações nas enfermarias. “A maternidade pública é aqui, as internações autorizadas pelo SUS são aqui; as cirurgias para nossa complexidade, de média complexidade, são realizadas aqui, pelo SUS. Nosso Pronto Atendimento é que não é feito pelo SUS, mas a estrutura da Santa Casa tem 60% de giro pelo SUS”, enfatizou e disse que o futuro bloco cirúrgico vai aumentar a capacidade e a complexidade do serviço prestado pela Santa Casa. “Poderemos realizar cirurgias de médio porte, talvez de grande porte. Vamos ampliar a possibilidade de mais recursos financeiros para que essa balança de sistema público e sistema particular e convênio possa ter um equilíbrio financeiro melhor”.

Dr. Wellington Roque encerrou seu discurso salientando que a Santa Casa é o hospital mais complexo da cidade: “Doente que está em fase avançada de câncer e que precisa ser tratado, vem para cá; pacientes com infecções graves, que precisam usar antibióticos da terceira e quarta geração, vêm pra cá; paciente que têm insuficiência cardíaca vêm pra cá. A Santa Casa é o anteparo do Hospital São José para dar esse suporte de saúde pública aqui. Por isso esse agradecimento por essa verba, que sob a liderança da Sandra será transformada em avanços e esses avanços serão transformados em sustentabilidade financeira para que a Santa Casa tenha uma situação mais estável”.

O serviço público de Pronto Socorro, que é uma responsabilidade do Município, é prestado no Hospital Municipal São José. Na Santa Casa, esse tipo de atendimento é particular ou por meio de convênio.