TELETON

Idosos e deficientes têm direito a estacionamento exclusivo

Para a utilização do estacionamento, carteirinhas devem ser feitas no Departamento de Trânsito da Prefeitura

Publicada em: 10 de julho de 2019 às 10h42
Arcos

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 06/07/2019) - Edição 2008

No dia 02 de julho, em entrevista coletiva na sala de reuniões da Prefeitura de Arcos, o prefeito noticiou que está sendo emitida a carteirinha para vaga de estacionamento exclusivo para idosos e deficientes, que está sendo desenvolvida em parceria com a Prefeitura e a Polícia Civil de Minas Gerais.

Estavam presentes na reunião, o prefeito Denilson Teixeira, a secretária de Governo, Flávia Carvalho, o delegado da 4ª Delegacia Regional da Polícia Civil de Minas Gerais, Irineu Coelho Filho, e o Delegado da Polícia Civil de Minas Gerais em Arcos, Elmer Ferreira Júnior. A reunião também contou com a presença de toda imprensa local.

Segundo o delegado regional Irineu Coelho Filho, a emissão das carteirinhas faz parte de uma recomendação do Detran (Departamento de Trânsito de Minas Gerais). “Nós estamos cumprindo uma recomendação do Detran, uma vez que nos municípios onde o trânsito ainda não é municipalizado, a Polícia Civil vai emitir a credencial para o idoso e para o portador de necessidades especiais”, disse. Também relatou que a Prefeitura irá ajudar a Polícia Civil dando apoio logístico, cadastrando os beneficiários e emitindo o documento.

Durante a reunião, o delegado Elmer Ferreira Júnior comentou que as carteirinhas serão emitidas e posteriormente assinadas por ele: “É um desejo nosso regulamentar essas carteirinhas de vaga para idosos e deficientes. Foi feita uma parceria tanto com a Prefeitura, tanto com a Polícia Civil, na qual a Prefeitura vai elaborar esta carteirinha, vai levar para a Polícia Civil aqui de Arcos, nós vamos assinar e posteriormente vai ser repassado para o idoso ou para o deficiente”.

Credenciamento

As carteirinhas já estão sendo emitidas no Departamento de Trânsito da Prefeitura, que está localizado no Terminal Rodoviário de Arcos. A pessoa idosa que for solicitar a carteirinha deve levar os seguintes documentos: identidade com foto ou carteira de motorista e um comprovante de residência recente. Já a pessoa deficiente, além de levar os mesmos documentos, também deve apresentar um laudo do Detran ou um laudo médico do C.I.D. O departamento de trânsito funciona de segunda-feira a sexta-feira, de meio-dia às 17h.

Segundo o delegado regional, Irineu Coelho Filho, todas as carteirinhas contêm o brasão da República e da Polícia Civil, tendo assim validade em todo o território nacional. A carteirinha deve ser plastificada. A validade é de 12 meses, com isso, quando estiver às vésperas do vencimento, o beneficiário deve providenciar a atualização.

O delegado Elmer Ferreira também informou que as pessoas que têm as carteirinhas antigas devem procurar o Departamento de Trânsito para substituir pela nova. Serão válidas apenas as novas carteirinhas que estão sendo emitidas pela Prefeitura e que contêm a assinatura dele.

Foi ressaltado também, que as carteirinhas podem ser utilizadas não apenas pelos idosos ou deficientes que dirigem, mas também por aqueles que dependem de alguém para ir aos lugares. “A pessoa tem que estar utilizando o veículo. Se o idoso estiver como carona e tiver a carteirinha, ele tem o direito. Não é o veículo pertencente ao idoso, é o idoso no veículo”, explicou o delegado Irineu.

 

 

Sinalização do trânsito

Durante a reunião, o prefeito Denilson ressaltou que toda nova estruturação da sinalização do trânsito na cidade faz parte de projetos do Governo Municipal. “A Prefeitura fez a parte dela, no que diz respeito a sinalizar a cidade. Nós estamos colocando em prática, ainda, muita coisa que está no projeto. Já sinalizamos boa parte da cidade e temos que sinalizar mais”, disse.

Ao final, o delegado Irineu disse que tudo que está sendo feito é uma conquista da toda a população: “Isso é uma conquista do cidadão. Nós estamos aqui nada mais para cumprir o que nos manda a lei, que é respeitar os direitos da pessoa que já trabalhou, que já lutou e que já deu muito de si para a sociedade”, concluiu.