SeSi
PROTOCOLO DE INFECÇÃO HUMANA PELO CORONAVÍRUS

Informe-se sobre os principais sintomas manifestados em casos suspeitos da Covid-19

Publicada em: 29 de maio de 2020 às 16h53
Arcos
Saúde

No dia 19 de maio, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) enviou para as secretarias de saúde de cada município a atualização técnica do Protocolo de Infecção Humana pelo Coronavírus, documento este que direciona todos os profissionais sobre a maneira correta de realizar o diagnóstico da doença e como fazer as notificações.

No documento enviado ao Jornal CCO pela coordenadora de Vigilância em Saúde, Ângela Margaret, são apresentadas algumas informações relevantes para a população, a exemplo de como detectar se uma pessoa pode ser classificada como um caso suspeito.

De acordo com o protocolo, são considerados casos suspeitos pessoas com síndrome gripal, que apresentem quadro respiratório agudo, caracterizado por sensação febril ou febre, acompanhada de tosse ou dor de garganta, ou coriza ou dificuldade respiratória. No caso de crianças com idade menor que 2 anos, deve-se considerar também a obstrução nasal, na ausência de outro diagnóstico específico. Já em pessoas idosas, deve-se também considerar critérios específicos de agravamento, como síncope (desmaio ou perda temporária e súbita de consciência), confusão mental, sonolência excessiva, irritabilidade e falta de apetite. Segundo dados do protocolo, pessoas idosas, jovens e também os imunossuprimidos (com deficiência no sistema imunológico) podem não apresentar febre.

Casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) também entram nos casos suspeitos para Covid-19. São pessoas com síndrome gripal que apresentam: desconforto respiratório ou pressão persistente no tórax ou saturação de 02<95% em ar ambiente ou coloração azulada dos lábios ou rosto. Nas crianças, além dos itens anteriores deve-se observar os batimentos da asa do nariz, cianose (cor azulada ou acinzentada da pele, das unhas, dos lábios ou ao redor dos olhos), tiragem intercostal (esforço respiratório), desidratação e ausência de apetite.

 

Testes rápidos negativados não podem descartar o caso suspeito

De acordo com as informações do protocolo, em casos suspeitos de Síndrome Gripal (SG) ou de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), quando são feitos os testes rápidos ou de sorologia clássica e o resultado dá positivo, a amostra deve ser coletada após o sétimo dia de início dos sintomas. O protocolo diz que os resultados positivos serão aceitos para fins epidemiológicos, entretanto, os resultados que derem negativo não deverão ser utilizados para descartar os casos suspeitos.

Quando são feitos os testes de biologia molecular (RT-PCR em tempo real, detecção do vírus SARS-CoV2) e o resultado acusa positivo, a amostra clínica tem que ter sido coletada preferencialmente até sete dias do início dos sintomas. Com esse exame, os laudos emitidos por todos os laboratórios privados poderão ser utilizados para efetuar o fechamento da investigação epidemiológica de Covid-19, sem a realização de análises adicionais.

 

Histórico de contato próximo de pessoas com Covid-19

Para classificar um caso como confirmado, também é analisado se o caso suspeito teve algum contato próximo ou domiciliar, nos últimos sete dias antes do aparecimento dos sintomas, com uma pessoa com caso confirmado laboratorialmente para Covid-19.

 

São considerados contatos próximos:

  • Contato físico direto (por exemplo, apertando as mãos);
  • Contato direto desprotegido com secreções infecciosas (por exemplo: gotículas de tosse, contato sem proteção com tecido ou lenços de papel usados e que contenham secreções);
  • Contato frente a frente com a pessoa, por 15 minutos ou mais, a uma distância inferior a dois metros;
  • Em ambiente fechado (por exemplo: sala de aula, sala de reunião, sala de espera do hospital etc.) por 15 minutos ou mais e a uma distância inferior a dois metros [com pessoa contaminada];
  • Profissional de saúde ou outra pessoa que cuide diretamente de um caso de Covid-19 ou trabalhadores de laboratório que manipulam amostras de um caso de Covid-19 sem Equipamento de Proteção Individual (EPI) recomendado, ou com uma possível violação do EPI;
  • Um passageiro de uma aeronave sentado no raio de dois assentos de distância (em qualquer direção) de um caso confirmado de Covid-19; seus acompanhantes ou cuidadores e os tripulantes que trabalharam na seção da aeronave em que a pessoa estava sentada.

 

Veja o Protocolo completo no link: PROTOCOLO DE INFECÇÃO HUMANA PELO CORONAVÍRUS