SeSi
RECORTES DO TEMPO – HISTÓRIAS DE ARCOS

Jairo de Sousa relembra acontecimentos da política em Arcos

Publicada em: 19 de março de 2020 às 14h20
Arcos
Memória
Recortes do Tempo - Histórias de Arcos

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 14/03/2020) - Edição 2042

Jairo Rodrigues de Sousa é um arcoense que cresceu no campo, vendo o trabalho e a dedicação de sua mãe na criação dos filhos. Trabalhou com o transporte de carros de boi, com o plantio de alimentos e há 35 anos trabalha com o comércio de gado. Ele também foi sócio fundador do Sindicato Rural de Arcos e um homem participativo na política da cidade. Em entrevista a Dalvo Macedo, colaborador do Jornal CCO no projeto Recortes do Tempo – Histórias de Arcos, ele contou sua história e recordou alguns detalhes da política na época.

Jairo de Sousa tem 88 anos. É casado com Albertina Rodrigues de Sousa (Dona ‘Tininha’), com quem teve oito filhos: Geralda Celina Rodrigues de Sousa, Célio Aparecido Rodrigues de Souza, Maria Sueli Rodrigues, Celso Rodrigues de Souza (in memoriam), Célia Rodrigues de Sousa (in memoriam), Selma Rodrigues de Sousa, Selmo Antônio Rodrigues e Kátia Rodrigues de Sousa. Ele e a esposa têm 11 netos e seis bisnetos.

Jairo nasceu em 1932, na comunidade de Sobradinho. É filho de Antônio Rodrigues de Sousa Sobrinho e de Maria Francisca de Jesus (Maria Teixeira). Jairo, que é o filho mais novo do casal, com apenas um ano de idade perdeu seu pai e cresceu vendo o trabalho e a dedicação de sua mãe com a família. Ele conta que nunca conheceu a imagem do pai, nem mesmo em um retrato. Isso fez com que ele crescesse e vivesse com um sentimento de saudade e com um grande desejo de tê-lo conhecido: “Quanto mais tempo passa, mais aumenta a falta de um pai que eu não conheci, nem em fotografia. Um conselho, uma conversa, faz falta demais”.

Em 1939, estudou na Escola Estadual Yolanda Jovino Vaz. Aos 7 anos, teve a necessidade de abandonar os estudos para trabalhar e ajudar sua mãe. Após um tempo, sua mãe o colocou em aula particular à noite. A professora era uma vizinha, a Sra. Ana Teixeira Borges (Nhanica), mãe de Dona Lázara. Após se casar, Jairo se mudou para o Córrego das Almas, onde está até hoje. Ele conta que a educação dos filhos foi simples e bem difícil, foi com muito esforço do casal. Eles mantinham as despesas da casa com o plantio de milho, arroz, feijão e a venda de leite. Jairo também trabalha há 35 anos com o comércio de leite e de gado. É um casal católico, são devotos de Nossa Senhora do Rosário e já foram Rei e Rainha da Coroa Grande.

Jairo de Sousa também foi sócio fundador do Sindicato dos Produtores Rurais de Arcos. Segundo ele, Galeno Ribeiro da Silveira foi o primeiro presidente do sindicato, que contava com os seguintes integrantes: Geraldo Goveia, Francisco Gonçalves do Vale, José Batista do Vale, Henrique Alves Teixeira, José Lopes Macedo, Eponino Davi Franco, Francisco Arantes, Edgar Borges, Sebastião Borges, Dr. Moacir Dias de Carvalho, Dr. Maurício de Andrade, Albertino da Cunha Amorim, Gabriel Macedo de Carvalho, Edgar Faria Gontijo e outros.

 

Lembranças

Durante a entrevista, Jairo falou sobre algumas de suas lembranças da política na época:

Briga em comício – Ele relembra que após um comício do ex-prefeito José Vilela de Oliveira (PSD – Partido Social Democrático), realizado na comunidade Vagem dos Britos, um caminhão cheio de pessoas foi para a praça Floriano Peixoto, onde estava acontecendo um comício do ex-prefeito João Vaz Sobrinho (UDN – União Democrática Nacional). Segundo ele, no local aconteceu um grande confronto que gerou brigas, pauladas e pedradas.

Ala dos gravetos e das toras – Em 1972, quando Zizo estava se candidatando a prefeito, existiam em Arcos duas alas políticas, a ala dos gravetos e ala das toras. Jairo, que era da ala dos gravetos, conta que naquela época ele morava em Formiga; enfeitava seu Jipe com ninhos de graveteiros e vinha para Arcos com sua família para participar do comício de Zizo. Seus irmãos, Joãozinho e Quinzinho, eram da ala das toras. Eles discutiam política, mas tudo dentro do respeito, de forma que não atrapalhava o convívio familiar.

Major Valeriano Macedo – Jairo chegou a participar de um comício na fazenda de Major Valeriano Macedo, quando ele era candidato a vereador na chapa do Dr. João Vaz Sobrinho. Foi uma grande festa, onde mataram vários bois, teve bebida e muita quitanda. Ele conta que o candidato teve uma votação muito expressiva, chegando a superar a do candidato para prefeito.

Vereador Zito Leão – Jairo Sousa se lembrou de algumas das ações de Zito Leão, quando atuou como vereador em Arcos. Uma delas foi a vinda da Cemig para a cidade, quando foram colocados 130 postes, 90 no centro e 40 no bairro Vila Boa Vista.