Vende-se Apartamento
SUPERAÇÃO

Jéssica conta sua história de fé após ter câncer

Há aproximadamente um ano, médicos disseram que ela teria poucos dias de vida

Publicada em: 12 de dezembro de 2019 às 13h22
Arcos
Superação

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 07/12/2019) - Edição 2030

O que fazer ou como reagir se alguém disser a você que lhe restam poucos dias de vida? Uma situação que para muitos seria o fim, para Jéssica Cristina Maria Rabelo foi apenas o começo.

A jovem arquiteta, de 27 anos, mora em Arcos; é filha de Helena Maria da Silva Rabelo e Hildo Rabelo. Em 2016, Jéssica descobriu que estava com alguns miomas no útero e teve que iniciar um tratamento. Depois de um tempo, esse tratamento já não funcionava mais e foi necessário realizar outro procedimento, com o intuito de “murchar” os miomas. Porém, o resultado não foi como o esperado e com isso veio o câncer.

Jéssica submeteu-se a uma cirurgia, com um médico de Belo Horizonte, para tentar retirar boa parte dos tumores. Depois do procedimento, o médico pediu que ela tentasse entrar em um hospital oncológico em no máximo 60 dias, para iniciar um tratamento.

Após a cirurgia que retirou parte do tumor, Jéssica teve Ascite (inchaço abdominal causado pelo acúmulo de líquido) e foi procurar um médico em Arcos. Foi nessa ocasião que ela recebeu um diagnóstico bem preocupante. “Com essa cirurgia eu tive Ascite e eu vim para a Santa Casa. O médico que me olhou disse que eu tinha pouca possibilidade de vida”, conta. Ela também chegou a ir a outro hospital, em Divinópolis, onde também disseram que não havia mais o que fazer. “A médica, depois, falou com a assistente que ia em nossa casa, para ter muito cuidado com o que falava comigo, porque poderia ser mais um sofrimento me levar para Barretos, já que não tinha solução”.

As palavras dos médicos foram inesperadas, mas não foram suficientes para desanimar a família, que tomou todas as providências para encaminhar Jéssica ao Hospital do Amor (Hospital de Barretos). Antes de ir, Jéssica chegou a pesar aproximadamente 70 kg, devido ao inchaço. “Tive uma fase que precisava de duas pessoas para segurar as minhas pernas e uma pessoa para segurar o meu tronco, para me levantar, de tão inchada que eu estava”, lembra. Quando foi começar o tratamento em Barretos, ela já estava na cadeira de rodas e pesando apenas 42 kg.

Ao começar a quimioterapia, aos poucos foi se recuperando, ganhou peso, voltou a se alimentar e após cinco meses voltou a andar. Foram feitas 30 sessões de quimioterapia.

 

Fé e esperança

Jéssica sempre teve o apoio da família e do namorado, Paulo Roberto Rodrigues. A irmã, Débora Maria Silva Rabelo, a acompanhou no início, quando os pais ficaram extremamente abalados e se concentraram nas orações.  Ela conta que antes de descobrir que estava doente, chegou a fazer um tratamento com psicólogo e também fez uma mentoria, isso a ajudou a passar por todo esse processo. “Quando descobri [a doença] foi mais fácil aceitar. Seria um processo pesado, mas eu tornei um pouco mais leve, encarava com muita naturalidade. [...] Não fiquei lamentando, fui vendo o que eu precisava mudar em mim, no meu psicológico, no meu emocional... e então comecei a me controlar”, conta e aconselha: “Descobrir um câncer não significa uma sentença de morte, porque o dia de amanhã ninguém sabe. Também é importante ouvir opiniões de outros médicos e buscar as formas de tratamento”.

A fé também a ajudou muito nesse período. Ela e sua mãe são devotas de Nossa Senhora Aparecida e ela sempre confiou sua vida aos cuidados dela. “Quando descobri [a doença], tive uma conversa muito séria com ela, eu disse: ‘É a senhora quem vai me dar força, para que eu possa exercer o meu propósito de vida; seja ele qual for, da forma que foi traçada para mim, eu vou cumprir’”.

 

 

Propósito de Vida

Com sua melhora durante o tratamento, Jéssica decidiu ajudar o Hospital do Amor, promovendo, com a ajuda de um grupo de pessoas, algumas campanhas do hospital na cidade de Arcos. As campanhas objetivam arrecadar fundos para ajudar a manter a entidade. “Nos últimos ciclos da quimioterapia, fui melhorando e senti vontade de ajudar o hospital e ajudar mais as pessoas a se salvarem, assim como eu me salvei”, disse.

Entre os seus atuais propósitos de vida também está a adoção, o seu sonho é ser mãe. “Eu entendi que Deus tinha um propósito comigo em relação a isso. Lutei muito para ser mãe e dentro do meu coraçãozinho sempre teve uma chaminha de adoção, porque sempre foi uma vontade minha. Então eu penso em adotar futuramente”.

Profissionalmente, Jéssica está se dedicando aos projetos de quartos infantis. Ela tem especialização em Design de Interiores e Paisagismo. Alguns de seus trabalhos estão no Instagram: Instagram @jessicarabelo.arq.

Entre os seus grandes trabalhos de arquitetura está a elaboração do projeto de reforma da Igreja do Rosário em Arcos, já executado. Jéssica Rabelo é exemplo de fé e determinação diante do inesperado.