Vende-se Apartamento

José Maria Alves lança o livro ‘Um Jovem dos Arcos da Véia’

Dentre os personagens dos contos estão “Tide Bota Ovo” e Monsenhor Eustáquio

Publicada em: 08 de fevereiro de 2018 às 08h46
Cultura

(Matéria publicada Pelo Jornal CCO impresso em 03/02/2018) - edição 1934

Neste domingo, dia 04, às 11h30, será realizado um almoço festivo beneficente na Casa Bom Pastor, da Creche Sem Fronteiras, quando acontecerá o lançamento do livro de contos “Um Jovem dos Arcos da Véia”. O ingresso para duas pessoas está no valor de R$50,00 e estará incluso o almoço e um exemplar do livro.

O autor é José Maria Alves, de 70 anos, formado no curso técnico de Contabilidade e atuando profissionalmente na locação de imóveis. José Maria tem participação ativa na sociedade. Foi um dos fundadores da Cooperativa Agropecuária de Arcos, onde ficou como diretor por dois mandatos na década de 1970; foi tesoureiro do Sindicato dos Produtores Rurais de Arcos por um mandato, na década de 1990; foi presidente do Arcos Clube por três mandatos na década de 1990; diretor do Rotary Clube entre as décadas de 1980 e 1990; provedor da Santa Casa de 2007 a 2010. Atualmente, escreve artigos mensalmente para o jornal da creche Sem Fronteiras, fundada e dirigida pelo padre Luciano Gontijo Pires.

José Maria conta que em cada uma dessas entidades, ele produzia um jornal informativo mensal, para divulgar as atividades das instituições. “Eu sempre gostei de escrever. Então, em todas elas eu criei um informativo e alguns dos fatos que acontecia no dia a dia eu anotava”.  Quando os filhos de José Maria leram esses arquivos, que estavam guardados, pediram que ele reunisse tudo e publicasse em um livro. Foi então que ele começou a sequenciar os arquivos e formatá-los, no ano de 2013. O livro foi concluído no início de 2017.

Personagens

O livro traz várias histórias diferentes, porém, todas com o mesmo personagem principal. Um dos contos tem um personagem muito conhecido em Arcos pelos adultos de hoje, mas pouco conhecido pelos jovens. Trata-se de “Tide Bota Ovo”. Segundo descreveu, Tide era tão popular que causava inveja a políticos da cidade. “Eu me lembro de um político que falou um dia assim: - ‘Se eu pudesse andar com o Tide de casa em casa eu ia fazer uma política para ganhar para prefeito’. Tide era uma pessoa simples, com algumas deficiências, mas era perspicaz em tudo. Ele entendia tudo, ele sabia tudo, só não tinha facilidade para conversar”, descreveu.

José Maria conta que naquela época, por ser ainda jovem, sua alegria e a de outros de sua idade era mexer com o ‘Tide Bota Ovo’. Ele lembra que se eles não mexessem, o próprio Tide mexia com eles. Foi uma pessoa que marcou sua época e deixa saudades em todos que se lembram dele.

Outro personagem é Monsenhor Eustáquio Afonso de Sousa, que por vários anos foi o padre responsável pela paróquia Nossa Senhora do Carmo em Arcos e trabalhou como professor e diretor escolar. Atualmente, ele está em Lagoa da Prata.

José Maria disse que o livro é voltado para o público em geral, porque, além de despertar a saudade e a lembrança das pessoas que viveram aqueles momentos em décadas passadas, desperta o interesse dos jovens que não conhecem as histórias que são abordadas no livro.

Creche Sem Fronteiras

José Maria Alves recorreu ao amigo, padre Luciano Gontijo Pires, quando estava com o livro para ser editado. Ele conta que o procurou porque ele tem muitos contatos e poderia indicar alguma editora que se dispusesse a fazer a impressão. Foi quando padre Luciano pediu para ler os contos, mesmo ainda não estando impresso. Ele fez algumas sugestões e pediu para fazer um comentário sobre o mesmo.

Depois que o livro ficou pronto, os amigos de José Maria começaram a cobrar o lançamento e deram a ideia de apresentá-lo em um dos almoços beneficentes que acontecem na creche Sem Fronteiras duas vezes ao mês. É uma forma de promover o almoço, tornando o evento mais conhecido.

Durante a entrevista ao CCO, José Maria comentou que admira muito o trabalho desenvolvido pelo Padre na creche Sem Fronteiras, porque boa parte do que lá existe foi pago por meio de recursos próprios dele. “Em Arcos já teve muitas creches municipais e muitas já acabaram, mas a dele, que é uma creche com recursos quase próprios e com os trabalhos voluntários, está lá de pé”. Segundo José Maria, a creche tem uma grande estrutura e pode crescer muito mais se a sociedade se atentar para o quanto ela é importante.

Aqueles que não puderem comparecer ao almoço beneficente de lançamento do livro poderão comprá-lo na Revista e Companhia, no valor de R$24,99.