Vende-se Apartamento

Poeta arcoense mergulha no coração da América Latina

Publicada em: 17 de novembro de 2020 às 13h52
Arcos
Cultura

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 13/11/2020) - Edição 2077

O poeta arcoense João Evangelista Rodrigues, 72, acaba de publicar Veia Latina (Loope Editora, 2020), sobre o universo lírico latino-americano. O livro reúne 35 poemas escritos em diferentes épocas, mas que buscam recriar a atmosfera das décadas 1960 e 1970, quando muitos países da região viviam em ditadura. "Eu resolvi publicar este conjunto de poemas com a intenção de homenagear os grandes poetas, escritores e militantes daquela época", explica o autor de trabalhos já festejados pela crítica e pelo público, como O Avesso da Pedra (1981) e Visões de João Manoel (2017). Sobre os anos de chumbo, o livro "quer ser uma chama que ilumina as obscuras lembranças que pairam sobre as nossas mentes e memórias", explica o poeta.

Esta é a primeira vez que a América Latina é tema de todo um livro de João Evangelista Rodrigues, que, normalmente, dialoga com a mineiridade: a pedra, o barro, os festejos populares e o mítico Vale do Jequitinhonha. Para o poeta, o continente passa por um momento em que tudo parece estar sendo demolido, confirmando a ideia que os brasileiros têm as costas viradas para os seus irmãos latinos.

Organizado em três partes (Demarcações, Oferendas e Utrópicas-Utopias), Veia Latina combina textos e imagens, com 24 fotografias P&B feitas por João Evangelista Rodrigues. "O meu trabalho se transformou em um texto visual", explica o poeta. Um texto visual que também é um manifesto de amor pelos povos latino-americanos e a sua história. "Nunca deveríamos nos envergonhar de sermos latino-americanos, mesmo em tempos complexos e globalizados. As novas gerações não conhecem Mário de Andrade, Borges, João Cabral de Melo Neto, Murilo Mendes, Drummond, Neruda, Ferreira Gullar e Manoel de Barros, entre tantos outros, mas têm esse direito", frisa.

Veia Latina revela a necessidade do poeta mineiro em conectar-se com as suas origens. Assim, João Evangelista Rodrigues escolheu lançar um livro bilíngue, com textos em português e espanhol. A escritora uruguaia Patrícia Rodríguez Aguiar, responsável pela tradução, explica que “desde muito jovem admira a música brasileira, o que a levou a estudar português”. Ela acrescenta: “Porém, traduzir um dos mais influentes poetas mineiros da atualidade é um desafio permanente”.

 

Sobre o Autor

João Evangelista Rodrigues (Arcos - MG, 1948) é formado em Filosofia e Jornalismo, com especialização em Literatura Brasileira. Professor reformado da PUC Minas, foi diretor da Casa do Jornalista e secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais. Considerado um dos principais poetas mineiros da atualidade, tem mais de cem letras de músicas gravadas. É parceiro de Paulinho Pedra Azul, Chico Lobo, Pereira da Viola, Rubinho do Vale, Grupo Viola Quebrada e Terra Violeira (Curitiba), Wilson Dias, Levir Ramiro, Felipe Bedetti, entre outros. É autor de nove livros, entre eles: O Avesso da Pedra (1981), Mutação dos Barcos (1988), A Oeste das Letras (1998), Transversias (2005), Visões de João Manoel - A dupla imagem da Poesia (2017) e os infantis, Poesia para que serve e Baile da Letras.

 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do autor.