Mérito Empresarial

Recuperandos da APAC em Arcos são aprovados no vestibular

Um arcoense e um lavrense conquistaram bolsa de estudo integral na universidade

Publicada em: 11 de abril de 2016 às 10h36
Geral
Recuperandos da APAC em Arcos são aprovados no vestibular

Com o apoio da Instituição, os dois futuros universitários vão investir em um futuro melhor

A direção da APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados) solicitou a presença da reportagem do Jornal CCO na instituição, no dia 29 de março, para evidenciar as conquistas de dois recuperandos: a aprovação no ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) com bolsa integral para estudar na UNIP – Universidade Paulista.

 

A entrevista foi acompanhada pela encarregada administrativa Angélica Zacarias e pela supervisora de oficinas Juliana Carolina. Os recuperandos são Pedro Henrique da Silva (26), natural de Lavras, e Cristiano Felício dos Reis (36), arcoense. Toda a diretoria da APAC também comemorou o acesso dos dois à universidade. Pedro e Cristiano foram aprovados respectivamente nos cursos de Logística e Administração.

 

Os dois cumprem pena em regime fechado, ambos por tráfico de drogas. Pedro foi condenado a três anos de reclusão, cumpriu dois anos e três meses na APAC e ganhará a liberdade no final deste ano. Cristiano está recluso há três anos e oito meses, restando dois anos e quatro meses para terminar o cumprimento de sua pena de seis anos.

 

 

 

Volta por cima

 

Pedro e Cristiano disseram ao CCO que o acesso à Universidade era esperado, porque se prepararam muito. “A gente sempre tem a expectativa, mas não deixou de ser uma grande surpresa”, disse Pedro. Os recuperandos fizeram questão de relatar o apoio que receberam da direção da APAC, o que acabou se tornando fundamental para a tomada de decisão dos dois. Segundo eles, a opção dos cursos veio depois de serem identificadas as aptidões individuais de cada um e a abrangência do mercado de trabalho, que, de acordo com eles, é bastante promissor nas duas áreas.

 

Angélica Zacarias disse que a APAC estimula a todos os recuperandos para que estudem e se profissionalizem. “Todos os que demonstram o interesse nos estudos são encaminhados, como esses dois que já fizeram o CESEC (Supletivo) para concluir o ensino médio, e agora estão a caminho da Universidade”, disse.

 

Ainda em relação à profissionalização, a supervisora de oficinas, Juliana Carolina, disse que mesmo dentro da instituição são oferecidos cursos em parceria com o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) e SESI (Serviço Social da Indústria), dentre outras entidades públicas.

 

Além dos cursos oferecidos, a APAC possui uma unidade de fábrica de blocos que gera renda dividida mensalmente entre os recuperandos e a entidade.

 

 

Agradecimentos

 

Pedro e Cristiano atribuem a conquista do acesso à Universidade ao apoio da APAC, onde é trabalhada fundamentalmente a reintegração. Segundo eles, todos os funcionários se empenham para ajudar na recuperação. Quanto ao mundo do crime, eles foram taxativos e deixaram uma mensagem a quem pretende seguir por esse caminho. “Quem deseja entrar no crime, que pense bem antes de fazer essa bobagem, só quem está preso sabe o que é isso. Só quem está aqui sabe o que é perder a liberdade”.

 

 

 

O trabalho da APAC

 

Segundo Angélica Zacarias, na APAC, neste ano, dez recuperandos fizeram o ENEM (primeira vez na APAC). Desses, sete conseguiram a certificação e outros três estão terminando o processo. Do total, cinco conseguiram notas suficientes para o acesso à universidade, dois entraram e três ficaram em excedente.

 

Os recuperandos aprovados iniciarão as aulas no próximo dia 15 de abril. Vão assistir às aulas através de uma sala de informática montada para os estudantes, indo ao pólo localizado em Arcos somente quando se fizer necessário.

 

É notável o orgulho que a equipe da APAC sente ao participar do progresso de todos os recuperandos. “Toda a equipe gosta muito do que faz. É uma missão especial. Os funcionários vêm trabalhar não somente pelo salário, é muito maior que isso”, completaram Juliana e Angélica, que ainda destacaram o alto índice de recuperação plena da APAC, que se mantém em torno de 90%.