Sucata Arcoense promove palestra para funcionários, fornecedores e clientes

Empresa está no mercado há mais de oito anos e proporciona reflexos importantes para a população

Sucata Arcoense promove palestra para funcionários, fornecedores e clientes

Os proprietários da Sucata Arcoense, o casal Amanda Martins Teixeira (37 anos) e João Paulo Fagundes (41), recepcionaram aproximadamente 55 pessoas (funcionários, fornecedores e clientes) no espaço Brilho e Festa, com “comida de boteco e cerveja gelada”. Nada mal para o fim de um dia de trabalho na quinta-feira (23 de novembro), véspera do fim de semana. 

Proprietários da Sucata Arcoense, o casal João Paulo e Amanda Martins Teixeira, juntamente com seus filhos Eduarda "Dudinha" e João Pedro

Palestrante 


O motivo maior do encontro foi a palestra “Reciclar é Vida”, com propostas de “reciclagem da vida”, ministrada por Patrícia Paulo (Empresa Empreenda e Venda), que presta consultoria para a Sucata Arcoense. Junto aos parceiros, a empresa do ramo de reciclagem está garantindo reflexos importantes para a população também na questão ambiental. “A Sucata Arcoense não seria a empresa bem-sucedida a qual se tornou, sem os parceiros que aqui estão presentes”, enfatizou Patrícia. 
Entre eles estavam catadores, representantes da Agrimig, Arcos Desmanche, Gerdau, Uniarcos,  Transportadora Irmãos Vieira, Lhoist, Belocal, Minasol, Grupo JOFEGE/Cimento Uau, a cooperativa parceira Sicoob União Centro-Oeste. Muitos clientes e fornecedores não puderam comparecer, porque já tinham compromissos agendados anteriormente.  
De uma maneira descontraída, mas com conteúdo relevante, Patrícia Paulo conduziu dinâmicas que levaram a reflexões sobre o dia a dia em família, no trabalho e na vida social.


Sucata Arcoense 
A Sucata Arcoense, empresa da área de reciclagem, foi inaugurada no dia 5 de outubro de 2015, há mais de oito anos. O trabalho consiste na compra e revenda de material reciclável. O pai da Amanda, José Antônio Teixeira, 65 anos, já trabalhava na área, mas fechou o depósito. Depois de um ano e dois meses, o casal decidiu reabrir. 
Amanda descreve o marido como um “visionário”. João Paulo fez os contatos com as empresas, dedicando-se também à coleta seletiva na cidade. O empreendimento cresceu gradualmente e passaram a investir em veículos e equipamentos. 
O trabalho abrange cidades da região como Divinópolis e Córrego Fundo. Também compram sucata no estado de Goiás. 

Geração de Empregos  - A Sucata Arcoense gera 10 empregos diretos, além dos indiretos. Os equipamentos são operados por um motorista, que tem um ajudante. Eles vão até as firmas para o carregamento dos materiais. Também fazem as coletas na cidade em locais como oficinas em perímetro urbano. Em seguida retornam à Sucata Arcoense, onde é feita a separação para classificar a sucata em baixo, médio e alto preço. 

Recicláveis que são fundidos e se transforam  em matéria-prima para produtos 
As sucatas são classificadas em: miúdas (a exemplo de chaparias que nunca foram usadas, tipo peças de metalon e tubos pequenos que vão direto para o forno, no processo de fundição, ou seja, para serem derretidas); graúdas (por exemplo: peças de mineração grandes, que têm que passar por processo de corte, adaptando-as para entrarem na boca do forno e serem fundidas) e mistas (é necessário prensá-las para entrarem na boca do forno). 
Materiais como papel, plástico e latinha são prensados. É necessário fazer a separação padronizada  para entregar às empresas. Os clientes são empresas e também catadores. “Os catadores são meus clientes, estão lá todos os dias, fornecendo e comprando materiais”, informou João Paulo, acrescentando que alguns deles são da ARA (Associação dos Recicladores de Arcos) e vendem materiais mais selecionados para a Sucata Arcoense. 

Contribuição ambiental com a limpeza da cidade e de empresas 


Além de gerar empregos e movimentar a economia, a Sucata Arcoense contribui com a limpeza da cidade e das empresas onde os materiais inservíveis para elas são retirados daquele ambiente, liberando espaço e deixando os locais organizados e sem poluição visual.  
Amanda Teixeira enfatiza a questão sobre a limpeza urbana, que ela considera importante. 
A Sucata Arcoense está localizada na Rua Safira, 149 - Novo Sion, Arcos. 

Parceria entre Sucata Arcoense e Gerdau: sucata para produzir 70% do aço


A unidade de Belo Horizonte da multinacional Gerdau é cliente da Sucata Arcoense. Karina Gomes, que trabalha no setor de compras da empresa, veio a Arcos participar do evento. Ela afirma que a Gerdau tem um papel muito importante relacionando à reciclagem da sucata.  Segundo Karina, 70% do aço produzido pela empresa vem da sucata, resultando em contribuição ambiental, porque ajuda a reduzir a emissão do CO2 [Dióxido de Carbono] na atmosfera. 
“João Paulo é um fornecedor nosso. É um empresário que está ali na ponta recolhendo essa sucata do consumidor final, do catador, tirando da rua essa sucata que seria lixo e trazendo para a Gerdau para ser reciclado”. Nesse sentido, relata a compradora, existe a contribuição social na geração de empregos e também ambiental, para o planeta, reduzindo os gases de efeito estufa e outros danos. A parceria entre Gerdau e Sucata Arcoense existe há sete anos. 

“A Minasol é muito grata pela parceria com a Sucata Aroense”, diz o colaborador Fernando Viana


Fernando Viana é colaborador na empresa Minasol. Há aproximadamente um ano, tem a Sucata Arcoense como parceira no recolhimento, dentro da empresa, do material que já não tem mais utilidade para ela, mas que pode ser reciclado, diminuindo o impacto ambiental na operação, contribuindo na organização e na limpeza. “Então, a Minasol é muito grata pela parceria com a Sucata Aroense. A empresa [Minasol] sempre busca operar na área industrial, enquanto produtora de produtos para a agricultura e calcinação, de uma forma correta”, comentou. 
Os profissionais da Sucata Arcoense vão até a Minasol, fazem a coleta seletiva, separam os materiais e tratam. “Temos as documentações legais, as notas fiscais. Hoje é muito mais bem-tratada essa questão de coleta seletiva e destinação de resíduos que a gente opera e produz”, afirmou Fernando Viana. 
Quanto a resíduos contaminados, a Minasol tem outra parceria com uma empresa de outra cidade, porque existe toda uma questão ambiental e legal envolvida. “Mas quando a gente fala de resíduos recicláveis, a exemplo de papelão, borracha e derivados do aço, a Sucata Arcoense é a primeira [com a qual trabalham]. Já fomos direto na porta de casa, porque é muito direto, tranquilo e correto”, explicou.   


Gestor do Grupo JOFEGE (SP) fala da confiança no trabalho da Sucata Arcoense 


O gestor ambiental do Grupo JOFEGE//Cimento Uau, de São Paulo, empresários que adquiriram uma unidade em Pains há cinco anos, a Cimento Uau, também estava no evento.  Gustavo Campelo disse que antes de conhecer o trabalho da Sucata Arcoense, a empresa tinha outros fornecedores do serviço. “A gente fazia a destinação e tínhamos algumas dificuldades com questões de documentação, até que conheci o pessoal da Sucata Arcos e já vem uma parceria de cinco anos, com tudo documentado, dando destinação”. Outra dificuldade de antes era em encontrar empresas corretas na destinação, o que, segundo o gestor, é rastreado pelos órgãos ambientais.