Animalis

Centernário de Homero Pires Gontijo (Mirico) 1920 - 2020

Publicada em: 28 de abril de 2020 às 15h42
Arcos
Memória
Recortes do Tempo - Histórias de Arcos

Nasceu no Corumbá, município de Arcos, em 30 de março de 1920. Filho de José Teodoro Alvares Gontijo (Juca Militão) e de Antonieta Pires Gontijo.

Foi casado por duas vezes:

PRIMEIRO CASAMENTO: união com VANDA MOREIRA GONTIJO. Deste casamento teve 2 filhas:
1ª Filha: Terezinha Moreira Gontijo (in memoriam)
2ª Filha: Isabel Moreira Gontijo.

SEGUNDO CASAMENTO: união com CARMELITA DE SOUSA GONTIJO, com quem teve 7 filhos, sendo:
1º Filho: João Martins de Sousa (adotivo)
2º Filho: Antônio Tadeu de Sousa Gontijo (in memoriam)
3º Filho: Milton de Sousa Gontijo (in memoriam)
4ª Filha: Maria Beatriz de Sousa Gontijo Alves
5ª Filha: Maria Angélica de Sousa Gontijo de Melo
6º Filho: Eduardo de Sousa Gontijo
7º Filho: Marcos de Sousa Gontijo

Como frutos dos relacionamentos de seus herdeiros, Homero (Mirico) tem 27 netos e 17 bisnetos, sendo 1 neto e 1 bisneta já falecidos.

Mudou-se de Arcos com sua família e morou em várias cidades, tais como: Formiga, Patos de Minas, Sete Lagoas e Pains, em todas foi comerciante e fez muitos círculos de amizade.

Foi comerciante desde os 13 anos de idade. Primeiro como balconista do Sr. Evilásio e depois como proprietário de seus próprios estabelecimentos em diversas cidades por onde residiu.

 

Ocupou os seguintes cargos:

Vereador por duas gestões: 1947 a 1950 e 1955 a 1958

1° Presidente da Câmara de Arcos
Como Vereador na 1ª gestão, aprovou a construção da usina elétrica de Santana (a 1ª usina de Arcos).
Elaboração das primeiras leis do município.
Na fundação da Santa Casa foi seu 1º Tesoureiro

Foi provedor da Santa Casa de Arcos por duas gestões: 1947 a 1959 e depois de 1981 a 1988.

 

Família

 

Em sua primeira gestão, foi por diversas vezes à capital brasileira na época, Rio de Janeiro, com recursos próprios, atrás de financiamento para construção do prédio que hoje é a Santa Casa de Arcos.

Cabe salientar que, em 1981, foi convidado a reassumir a provedoria da Santa Casa de Arcos, pela segunda vez, pois, esta, estava prestes a ser fechada, devido a precariedade da situação em que se encontrava. Homero, mesmo residindo em Formiga, vinha para Arcos diariamente.

A Instituição de Saúde não possuía roupas de cama, aparelhos estavam desativados, estufas e esterilizadores queimados e sem estabilidade financeira. Mirico iniciou suas atividades com muita coragem, determinação e empenho, exercendo um grande trabalho para reativar a Santa Casa, fez parcerias e convênios com as indústrias e firmas da cidade. Alcançando os objetivos desejados e colocando as finanças em dia, pode dar início às inúmeras obras no hospital, tais como: mudança da portaria para o lado direito, onde foi construída uma rampa, para que os carros pudessem deixar os doentes mais próximos da internação (layout de fachada e entradas que permaneceram dessa forma até próximo dos anos 2000, quando houve outra reforma). Construiu, também, a maternidade, o velório, um novo bloco cirúrgico (novos aparelhos e instrumentos gerais), cozinha, lavanderia, novos apartamentos, etc.

Em 1971, voltou a residir em Arcos, onde teve o seu último estabelecimento comercial  com o nome de Santa Terezinha na esquina da rua Donato Rocha com Avenida Governador Valadares, e aposentou-se.

Em meados de 1972, comprou um sítio no Barreiro, município de Arcos. Nesta época deu assistência à "Escola Municipal Rotary de Arcos", e foi convidado para ser o presidente do MOBRAL (Movimento Brasileiro de Alfabetização) de Arcos.

Em 1973, em Formiga foi administrador do Patronato São Luís, contando com o apoio de sua esposa, Carmelita. Acolheram crianças órfãs da cidade e da antiga FEBEM (atual Fundação Casa), prestando um grande serviço à comunidade daquela cidade.
Homero foi um grande filho, irmão, pai, avô, bisavô, dando seu carinho sempre que se encontrava com seus familiares.

Em Fevereiro de 2002, veio a falecer, devido à complicações após um AVC, deixando um grande legado e muitas saudades.

"Meu pai com empenho para dar uma situação de vida mais digna nas áreas de educação e saúde, para sua geração e as vindouras" afirma sua filha Maria Beatriz.

 

TEXTO ENVIADO PARA CÂMARA MUNICIPAL

CENTENÁRIO DE  HOMERO PIRES GONTIJO - 1920 - 2020

HOMERO PIRES GONTIJO 1947 a 1950

Data de nascimento: 30/03/1920
Naturalidade: Arcos/MG.
Filiação: José Teodoro Álvares Gontijo (Juca Militão) e Antonieta Pires Gontijo.
No seu primeiro casamento, foi casado com Vanda Moreira Gontijo, tendo duas filhas: Terezinha Moreira Gontijo e Isabel Moreira Gontijo.
No seu segundo casamento, foi casado com Carmelita de Sousa Gontijo, tendo 7 filhos:  João Martins de Sousa (adotivo), Antônio Tadeu de Sousa Gontijo, Milton de Sousa Gontijo, Maria Beatriz de Sousa Gontijo Alves, Maria Angélica de Sousa Gontijo de Melo, Eduardo de Sousa Gontijo e Marcos de Sousa Gontijo.

Dados profissionais:

Comerciante.
Foi provedor da Santa Casa por duas gestões: 1947 a 1959 e 1981 a1988.
Em 1972 foi convidado para ser presidente do Mobral - Movimento Brasileiro de Alfabetização - de Arcos.
Em 1973, foi administrador do Patronato São Luís em Formiga/MG.

 

 

HOMERO PIRES GONTIJO 1948 a 1949

Tomou posse como Presidente da Câmara nos exercícios de 1948 e 1949.

Participou dos seguintes trabalhos, estudos, discussões e votações dos Projetos de Leis durante seu mandato: Eleito primeiro presidente da Câmara Municipal de Arcos;

Formou Comissão especial, com todos os vereadores, para acompanhá-lo em missão oficial à Cachoeira do Rio Santana, a fim de entrar em entendimento com os proprietários dos terrenos onde seria construída a Usina Hidroelétrica, para aquisição dos mesmos;

Sugeriu a redação de telegramas ao Presidente Dutra e ao Governador Milton Campos, apresentando congratulações pela sanção da Lei de extinção de mandatos, que foram subscritos por todos os vereadores;

Aprovou três requerimentos do vereador Araçary Pires Soraggi, solicitando construção de fossas em três casas, intervenção do Delegado de Polícia para impedir abusos de alguns motoristas e moção de apoio e confiança à Administração João Vaz Sobrinho;
Aprovou Projeto de Lei autorizando empréstimo com a Caixa Econômica Estadual, para construção da Usina Hidroelétrica da Cachoeira do Rio Santana;

Aprovou Ante Projeto do Regimento interno da Câmara;

Aprovou dispensa da ajuda de custas dos vereadores, em benefício da Instituição Pública;

Aprovou Projeto de Lei que aumenta a taxa municipal de eletricidade;

Aprovou Projeto de Lei para abertura de crédito para adquirir um caminhão;

Aprovou memorial elevando Município de Arcos à categoria de Comarca;

Aprovou Projeto de Lei que indeniza o senhor Ambrósio Joaquim Alves, relativo a um terreno na Gracina, para alargamento da estrada;

Aprovou Projeto de Lei autorizando extinção de cargos na Prefeitura (Almoxarife, Agente Municipal de Estatística, Enfermeira, Guarda Sanitário);

Aprovou Projeto de Lei criando o cargo de Fiscal Geral de Rendas;

Aprovou Projeto de Lei autorizando aumento de vencimentos e salários do pessoal da Prefeitura, com abertura de crédito;

Aprovou Projeto de Lei que cria quatro escolas rurais e cargos de professora com abertura de crédito para o fim;

Aprovou Projeto de Lei que autoriza indenização de dois animais mortos em acidente da linha de transmissão de energia elétrica de Pains, bem como abertura de crédito;

Aprovou Projeto de Lei que autoriza Abertura de Crédito Suplementar, para suplementação do orçamento;

Aprovou Projeto de Lei autorizando construção da Usina Hidrelétrica da Cachoeira do Rio Santana;

Negou concessão de privilégio sobre a Cachoeira do rio São Domingos, para montagem de Usina Hidrelétrica ao senhor Tomás Ribeiro Pires;

Aprovou Projeto de Lei cancelando débito da Prefeitura de Iguatama, relativo a fornecimento de energia elétrica para iluminação Pública no exercício de 1944;

Aprovou Projeto de Lei autorizando o Prefeito a comprar empresa de abastecimento de água do senhor Florêncio Rodrigues Nunes, e abre crédito especial, para defesa de transmissão;

Aprovou Projeto de Lei autorizando a Prefeitura a comprar prédios para instalação de Fórum, Prisão Pública, Destacamento de Polícia e abre crédito, para o fim;

Aprovou Projeto de Lei autorizando o Prefeito a adquirir terrenos declarados de Utilidade Pública no local destinado à construção da Usina Hidrelétrica da Cachoeira do Rio Santana e abre crédito para o referido fim;

Aprovou Projeto de Lei autorizando o Prefeito adquirir imóveis destinados a construção de campo de aviação e abertura de crédito para o referido fim.

 

HOMERO PIRES GONTIJO 1955 a 1958

Tomou posse como Presidente da Câmara no exercício de 1955.

Participou dos seguintes trabalhos, estudos, discussões e votações dos Projetos de Leis durante seu mandato:

Em caráter de urgência, aprovou os Projetos de 01 a 10 de 1955;

Aprovou os Projetos de Leis do 11° ao 17° de 1955;

Aprovou licença do cargo por seis meses do vereador Vaieriano Macedo;

Participou das discussões e votações dos Projetos de Leis do 19° ao 32° de 1955.

Renunciou ao cargo de vereador, no dia 05 de agosto de 1956, por motivo de mudança de domicílio para cidade de Formiga.