SeSi

Convivendo com o HIPOTIREOIDISMO

Publicado em: 29 de junho de 2020 às 09h07
Saúde

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 20/06/2020) - Edição 2056

Dr. Tarcísio Narcísio Silva

O hipotireoidismo (falta de hormônios da tireoide) é uma doença crônica, que necessita acompanhamento periódico. O tratamento é feito com a reposição do hormônio da tireoide, chamado levotiroxina (ou T4), que na maioria dos casos deve ser tomado por toda a vida. A dose de levotiroxina varia com o tempo, havendo necessidade de mudança na dose; em alguns momentos a dose deve ser aumentada, em outros deve ser reduzida. A pessoa portadora de hipotireoidismo deve aprender a conviver com sua doença, reconhecendo os sintomas que podem sugerir um descontrole de seu quadro para que o tratamento seja ajustado. Os pacientes devem ainda entender como funciona o tratamento e receber informações para que se desfaçam alguns mitos, os quais muitas vezes trazem preocupação desnecessária. Com o acompanhamento correto, o paciente poderá ter uma vida normal, sem sintomas ou qualquer limitação.

Os principais sintomas do hipotireoidismo são: fraqueza, sonolência, ganho de peso, inchaços, pele seca, queda de cabelos, memória fraca, depressão, obstipação intestinal, aumento de colesterol. A melhora dos sintomas do hipotireoidismo é lenta, gradual. Algumas pessoas só vão começar a se sentir melhor após 30 dias de início do tratamento; outras podem se sentir melhor já na primeira semana do uso do hormônio. Portanto há a necessidade de paciência e de realização de exames para se ajustar a dose da medicação.

 

Algumas recomendações para os pacientes:

1- Sempre tomar a medicação (levotiroxina) em jejum, ao acordar, somente com água. Deve-se esperar pelo menos 30 minutos sem ingerir alimentos.

2- Não tomar a medicação junto com alimentos ou outras medicações

3- Nunca mude a marca da medicação sem consultar seu médico especialista; a dose da medicação pode variar dependendo da marca. Se houver a necessidade de trocar de marca, seja por motivo de preço da medicação ou por falta nas farmácias, entre em contato com seu médico especialista.

4- A medicação não provoca sintomas ruins se a dose estiver correta e se o paciente realmente apresenta hipotireoidismo.

5- Várias doenças podem provocar sintomas parecidos com os do hipotireoidismo (anemia, reumatismos, depressão, falta de vitaminas, etc). Portanto, se seu tratamento estiver em dia, mas apresentar sintomas persistentes, o médico especialista deverá ser consultado.

 

 

6- É recomendado que todos os pacientes de primeiro grau (irmãos, pais e filhos) dos portadores de hipotireoidismo façam exames de tireoide periodicamente, pois a doença costuma ter caráter hereditário.

7- Em caso de gravidez, a medicação não poderá ser interrompida. A falta do hormônio da tireoide pode prejudicar o crescimento do bebê e predispor a aborto. Durante a gravidez os exames de TSH devem ser realizados com maior frequência.

8- Nunca deixe de realizar os exames controles na época determinada pelo seu médico. Somente o médico poderá alterar a dose da medicação baseado nos exames clínico e laboratorial.

Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468