Mérito Empresarial

Secretaria de Integração Social esclarece sobre caso ocorrido no centro de acolhimento

Publicada em: 13 de junho de 2017 às 14h21
Arcos

Sobre a acusação de possível estupro ocorrido no centro de acolhimento, noticiada no último sábado pela imprensa, a Secretaria de Integração Social esclarece que os fatos estão em fase de investigação.

De acordo com o secretário Sérgio Veloso, o laudo emitido pelo perito foi concluído e não foi constatada, até o momento, nenhuma prova de que houve abuso sexual. “É importante destacar que, diferentemente, do que foi informado pela imprensa a adolescente não confessou o suposto fato, mas ao contrário, ela nega com veemência que o tenha praticado. Além disso, é importante frisar que a criança não apresentou nenhum tipo de hematoma e ainda de acordo com a avaliação do perito não havia mancha de sangue”, disse.

O secretário também ressaltou que o caso trouxe consequências e danos irreparáveis de forma direta e indiretamente aos 24 acolhidos no centro de acolhimento. “Uma reportagem que se deu totalmente inverídica na busca de um cruel sensacionalismo acabou por colocar em risco esses acolhidos que não se tratam de menores infratores, mas vítimas que foram afastadas de suas famílias por terem seus direitos violados ou mesmo por terem sido abandonadas ou estarem sob risco social e pessoal”, finalizou.  

Em contato com a promotora de Justiça, Juliana Amaral Mendonça Vieira, foi informado que o Ministério Público não foi procurado em momento algum pela imprensa para esclarecer sobre os fatos noticiados. Ela ainda informou que a reportagem até o momento não condiz com a verdade do que foi apurado. Uma vez que o perito não constatou a lesão mencionada pela educadora que comprovaria o abuso sexual.

Para evitar maiores traumas para a criança de 4 anos e para a adolescente de 15 anos foram tomadas todas as medidas necessárias para a segurança delas e também de todos os envolvidos. Tanto a criança quanto a adolescente foi ouvida por especialistas e psicólogos para que a verdade seja preservada e não acarrete em outros traumas.

A Secretaria de Integração Social, o Ministério Público e o Poder Judiciário estão trabalhando em parceria em busca de esclarecer os fatos e dar uma resposta à sociedade.

Como medida cautelar, a adolescente acusada foi afastada do centro de acolhimento, até que haja comprovação do ocorrido.

É importante ressaltar que o centro de acolhimento possui duas unidades separadas, sendo que uma acolhe o sexo feminino e a outra o sexo masculino.

No momento, a preocupação da equipe técnica do centro de acolhimento é a proteção à imagem tanto da criança quanto da adolescente que não pode ser condenada por fatos que não foram comprovados.

O Governo Municipal afirmou que o protocolo que é mantido no centro de acolhimento frisa que em caso de desvio de conduta seja por parte dos acolhidos ou por parte das educadoras, todas as medidas necessárias para responsabilizar os envolvidos serão tomadas.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Arcos