Vende-se Apartamento

Terapia de Reposição Hormonal da Menopausa

Publicado em: 27 de agosto de 2018 às 08h34
Saúde

(Artigo publivado pelo Jornal CCO impresso em 18/08/2018) - Edição 1963

Dr. Tarcísio Narcísio

Dizemos que a mulher está na menopausa quando se encontra há pelo menos um ano sem menstruar. Geralmente ocorre na faixa dos 50 anos de idade. Se ocorre antes dos 40 anos é chamada de menopausa precoce e traz mais riscos de problemas na saúde da mulher. A menopausa marca o fim do período reprodutivo da mulher.  É uma nova etapa na vida onde várias alterações no corpo vão se intensificando por causa da queda dos níveis de hormônios femininos. Algumas mulheres fazem essa “passagem” sem grandes transtornos, porém, uma grande parcela das mulheres apresenta sintomas intensos com sério comprometimento da qualidade de vida.

A terapia de reposição hormonal (TRH) tem como objetivo melhorar esses sintomas e impedir o surgimento de complicações mais sérias para a saúde com é o caso da osteoporose. No entanto, a TRH tem riscos se realizada em algumas situações. Estudos científicos têm mostrado riscos de trombose, ganho de peso, alterações cardíacas e desenvolvimento de alguns tipos de cânceres. Portanto, a avaliação especializada é importante para que a TRH seja indicada sem riscos, melhorando muito a qualidade de vida das pacientes.

 

Em que a TRH pode ajudar?

Sintomas como fogachos (ondas de calor intenso, mais frequentes à noite ou na madrugada), perda de massa muscular, oscilação do humor, ardor no canal da urina ou vontade de urinar com frequência, incontinência urinária, distúrbios sexuais, pele ressecada, dentre outros. A TRH é também um dos melhores tratamentos para a osteoporose que aparece na menopausa.

TRH não está indicada para todas as mulheres

Nem toda mulher precisa realizar a reposição hormonal. A intensidade dos sintomas é que vai ditar a necessidade da TRH na maioria dos casos. Toda mulher que apresenta os sintomas da menopausa muito intensos pode se beneficiar. Não existe um tempo máximo de tratamento; a maioria das mulheres consegue suspender a TRH após 2 anos de tratamento e permanecer sem sintomas; algumas pacientes, no entanto, precisam manter por longos períodos a TRH para controle adequado. Pacientes que não podem realizar TRH têm como alternativa alguns tratamentos não hormonais como fitoterápicos e medicamentos psicotrópicos. Mudanças na alimentação e adoção de bons hábitos como exercícios físicos, moderação no consumo de álcool, técnicas de relaxamento e psicoterapia podem ajudar em muitos sintomas.

A TRH deve ser evitada nas seguintes situações:

· Pacientes que tiveram certos tipos de câncer (mama, útero, ovários) ou que          tenham risco aumentado para esses tumores
· Pacientes portadoras de doenças cardíacas ou com alto risco para tromboses
· Portadoras de diabetes ou hipertensão arterial que não estejam controladas
· Fumantes e grandes obesas



Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468