Vende-se Apartamento

Sicoob União Centro Oeste inicia construção de nova sede própria

A bênção da pedra fundamental foi feita pelo padre Ednaldo Vinícius, ele disse que o cooperativismo é uma resposta num mundo onde a ganância e o poder estão tomando grandes proporções

Publicada em: 02 de agosto de 2017 às 09h46
Arcos
Sicoob União Centro Oeste inicia construção de nova sede própria

O lançamento da pedra fundamental foi na última quarta-feira

(Matéria publicada pelo Jornal CCO impresso em 29/07/2017) - Edição 1906

O presidente do Conselho de Administração da Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Centro-Oeste Mineiro Ltda, Flávio Vaz de Lima, os diretores executivos Marcelo Antônio de Sousa e Fernando Nonimato da Silva e toda a equipe de colaboradores do Sicoob União Centro Oeste recepcionaram os convidados na manhã de quarta-feira (26), em um café da manhã especial. O motivo da comemoração foi o lançamento da Pedra Fundamental da construção da nova sede própria da cooperativa em Arcos, que tem aproximadamente 5.200 associados entre Arcos, Pains e Vila Costina.

A atual sede, na rua São Geraldo, 679, centro de Arcos, também é própria e foi inaugurada há 17 anos. A área é de 600 m². Devido ao crescimento do número de associados, principalmente depois da fusão com a cooperativa de Pains, o espaço tornou-se pequeno. A nova sede está sendo construída no terreno ao lado, na mesma rua, numa área de aproximadamente 2 mil m².

Segundo o engenheiro Márcio Ribeiro, proprietário da empresa sediada em Arcos que venceu a licitação para realizar a primeira etapa da obra, o prédio terá dois pavimentos, além do subsolo, onde será construída a garagem. O projeto foi feito pela arquiteta Patrícia Rezende, de Lagoa da Prata.

Flávio Lima diz que a nova sede, em um espaço bem mais amplo, é a realização de um sonho, para atender melhor os associados e garantir mais conforto aos funcionários. “É um dia muito especial. Estamos realizando um sonho dos cooperativistas. A grandiosidade de uma cooperativa começa pela sede, pelos cooperados, pelos sonhos”, comentou. Nas palavras do presidente, a instituição, que iniciou as atividades na condição de cooperativa de crédito rural, e hoje atende a todos os públicos, terá uma sede à altura do cooperativismo, o que também beneficiará o Município de Arcos.

O presidente salientou a importância dos colaboradores na história de sucesso do Sicoob União Centro Oeste. “Eu realmente sou uma pessoa privilegiada, no sentido do apoio da diretoria, dos conselheiros e dos funcionários”.
Segundo Flávio Lima, o cooperativismo é um sucesso e não tem volta. “Em Arcos, nós somos agraciados com três cooperativas e tem espaço pra todas. O associado é dono, não é correntista. Ele faz parte. O dinheiro fica na comunidade”, concluiu.

Durante a bênção da pedra fundamental, padre Ednaldo Vinícius disse que o cooperativismo é uma resposta num mundo onde a ganância e o poder estão tomando grandes proporções.

 

Setor cooperativista avança, mesmo em tempos de crise


A superintendente do Sicoob União Centro Oeste, Márcia Berto, disse ao CCO que a crise não afetou o setor cooperativista. “Temos criado oportunidades, buscando fomentar o comércio local, a comunidade, para que as pessoas possam ter a oportunidade de criar diante de todas essas dificuldades, porque existem caminhos e possibilidades. O que a gente tem feito é viabilizar esses caminhos e possibilidades, para que  possamos crescer e a comunidade também. O cooperativismo, nesse tempo de crise, ao invés de recuar, sair de cena, ele está entrando para poder viabilizar. Muitas instituições financeiras neste momento recuaram, e nós não, estamos investindo e viabilizando. Contamos com o apoio dos associados e estamos aqui para isso”.

 

Possibilidades de novas fusões


Unir para crescer. As fusões de cooperativas têm mostrado resultados mais que satisfatórios.  “Em relação ao Sicoob União Centro Oeste estamos abertos às conversas sobre o assunto e possíveis parcerias”, afirma o Presidente Flávio Lima.

Um exemplo citado por Flávio Lima é do estado do Espírito Santo, onde havia mais de 60 cooperativas e hoje são oito. “E no Espírito Santo o cooperativismo é forte. Reduziu o número, mas fortaleceu”, comenta, explicando que as fusões reduzem custos.