Vende-se Apartamento

Acantose nigricans: um sinal de alerta

Publicado em: 11 de janeiro de 2021 às 09h09
Saúde

(Artigo publicado pelo Jornal CCO impresso em 23/12/2020) - Edição 2083

Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Chamamos de acantose nigricans uma lesão que aparece na pele, geralmente em áreas de dobras (pescoço, axilas e virilhas), de aspecto escurecido. É mais comum em pessoas obesas, mas pode também aparecer em pessoas magras. A importância médica desse tipo de lesão é que geralmente indica que a pessoa está passando por alterações em seu metabolismo e sistema hormonal, predispondo a várias doenças metabólicas, como o diabetes. Pode também aparecer em crianças, levando as mães a lavarem excessivamente essas áreas por serem confundidas com manchas de sujeira.

 

Causas da acantose nigricans:

Geralmente a acantose surge por uma alteração no funcionamento da insulina, conhecida como SÍNDROME DE RESISTÊNCIA À AÇÃO DA INSULINA. Na pele, o excesso de insulina provoca um aumento da quantidade de melanina, que é um pigmento que dá cor à pele. O excesso de melanina provoca a acantose nigricans.

Em algumas pessoas, a acantose é hereditária e não está associada a qualquer tipo de doença.

Certas medicações podem levar ao aparecimento de acantose, como os corticóides, anabolizantes e estrógenos.

Várias doenças podem cursar com acantose: diabetes melito, síndrome dos ovários policísticos, doenças tireoideanas, doenças das suprarrenais (doença de Addison e Síndrome de Cushing), acromegalia, síndrome de Down, cirrose hepática, dermatomiosite, dentre outras.

Portanto, recomenda-se que toda pessoa portadora de acantose nigricans realize exames para se descartar doenças que podem comprometer seriamente a saúde e qualidade de vida.

 

 

Tratamento:

A parte mais importante do tratamento é tratar a causa da acantose. Assim, se a causa é resistência à ação da insulina, existem medicações que previnem e tratam o diabetes, ao mesmo tempo em que ajudam a regredir a acantose. A acantose em si não traz problemas para a pessoa, a não ser estético. Em muitos casos há a necessidade de tratamento local, com cremes apropriados e aplicação de laser para melhorar a questão estética.

Saúde por Dr. Tarcísio Narcísio Silva

Médico Endocrinologista e Metabologista - CRM 36.468